PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Todos a Bordo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Avião bate a cauda na pista ao decolar no RJ; é comum? Quais os riscos?

Avião Boeing 737 da Gol decola do aeroporto de Congonhas em 2019 - Alexandre Saconi
Avião Boeing 737 da Gol decola do aeroporto de Congonhas em 2019 Imagem: Alexandre Saconi

Alexandre Saconi

Colaboração para o UOL, em São Paulo

03/09/2021 18h46

Um avião da Gol bateu a cauda na pista ao decolar do aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, na manhã da última terça-feira (31). Esse incidente é conhecido como tail strike (batida com a cauda, em tradução livre), e ocorre quando o nariz do avião está inclinado para cima em um ângulo muito elevado.

Com isso, a traseira da aeronave acaba tocando o solo, seja no pouso ou na decolagem. Não é normal que isso ocorra, e esse incidente é visto com mais frequência em aviões mais compridos.

Essa inclinação demasiada do avião para cima pode ocorrer por alguns motivos. Entre eles, estão a configuração errada da aeronave, puxar o manche rápido demais (o que levanta o nariz e faz a cauda bater no solo), uma rajada de vento, entre outros.

No caso de terça-feira, não houve maiores problemas, e o avião seguiu normalmente para o seu destino, o aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

Quais os riscos?

cauda - Agência Nacional de Segurança de Voo da Itália - Agência Nacional de Segurança de Voo da Itália
Cauda de um A320 da Alitalia, em Milão, após a cauda bater na pista: danos mínimos
Imagem: Agência Nacional de Segurança de Voo da Itália

De acordo com o piloto Marcelo Ceriotti, diretor do SNA (Sindicato Nacional dos Aeronautas), esse incidente não oferece maiores riscos ao voo.

"Embora essa situação não seja desejável, é até comum que ela ocorra. Os fabricantes, inclusive, desenvolveram um equipamento chamado tail skid, que amortece esse impacto na cauda de alguns modelos, evitando danos à fuselagem do avião", diz Ceriotti.

Um dos maiores problemas de o avião bater a cauda na pista é que, geralmente, ele não pode ser pressurizado após isso. A parede de pressurização da aeronave fica próxima ao local onde pode haver o contato com o solo, e pode ser danificada, dificultando a pressurização da cabine de passageiros.

Um dos procedimentos previstos no manual de uma aeronave da mesma família daquela envolvida no acidente, um Boeing 737, recomenda não pressurizar o avião quando é detectada a batida da cauda com o solo. As válvulas responsáveis por esse sistema no 737 devem ser mantidas abertas e é recomendado pousar no aeroporto mais próximo possível.

Caso não seja possível retornar para um aeroporto próximo ou o dano não foi significativo, pode até ser possível que o avião continue voando para o seu destino, mas em uma condição bem restrita. Não poderia ultrapassar a altitude de 3.048 metros (10 mil pés), e isso só seria possível se tivessem combustível suficiente para se manter nesse nível de voo.

Ainda assim, se o comandante identificar que as condições são seguras e não oferecem riscos, ele pode voar normalmente.

skid - Australian Transport Safety Bureau - Australian Transport Safety Bureau
Tail skid, equipamento utilizado para amortecer o impacto da cauda do avião no solo
Imagem: Australian Transport Safety Bureau

De dentro da cabine, é difícil os pilotos saberem que houve o toque da traseira do avião com a pista na decolagem. Isso, geralmente, é feito pelo alerta de outras pessoas, como a torre, os comissários ou passageiros sentados ao fundo, que podem perceber o impacto com mais facilidade. Não há alarme na cabine de comando para esse tipo de ocorrência.

Em solo, quando a batida com a cauda no solo é identificada, os mecânicos atuam para identificar se houve apenas uma raspagem leve na fuselagem ou se o dano foi mais profundo. Muitas vezes, basta trocar o tail skid —um procedimento bem simples —, que o avião é liberado para voar em seguida.

Investigação

Segundo o Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos), o avião não sofreu danos. Os pilotos efetuaram os procedimentos previstos no checklist do avião e seguiram para Congonhas (SP). O pouso foi realizado sem intercorrências e todos saíram ilesos, segundo o órgão.

Em nota, a Gol confirma o incidente e a liberação da aeronave no mesmo dia.

"A GOL confirma evento de toque da estrutura de proteção da cauda com a pista durante decolagem no aeroporto SDU em 31/08. Os pilotos efetuaram os procedimentos necessários e o pouso ocorreu sem mais anormalidades. A aeronave passou por inspeção de manutenção, retornando à operação no mesmo dia", informou a empresa.

PUBLICIDADE