PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Todos a Bordo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

É possível ser sugado por motor a jato e sobreviver? Uma pessoa conseguiu

Impacto com o interior de um motor a jato em funcionamento é fatal - Alexandre Saconi
Impacto com o interior de um motor a jato em funcionamento é fatal Imagem: Alexandre Saconi

Alexandre Saconi

Colaboração para o UOL, em São Paulo

10/10/2021 04h00

Um dos maiores perigos para quem trabalha perto de aviões é ser sugado pelos motores a jato ou empurrado em direção ao seu interior. Na história da aviação, isso já aconteceu algumas vezes, quase sempre com resultados trágicos.

A chance de sair vivo após isso acontecer é praticamente nula. A alta velocidade de rotação dos motores dos jatos modernos e a estrutura resistente é feita para aguentar os mais fortes impactos, como o de um bando de aves, sem causar maiores danos ao avião.

Na fase de testes, diversos objetos são jogados em direção ao interior dos motores a jato. Em um deles, é feito o teste de impacto com aves, no qual animais congelados são arremessados contra as blades (ou palhetas), que atuam de maneira similar às pás dos motores de alguns aviões, deslocando o ar para gerar o movimento da aeronave.

Eles acabam dilacerados, e é isso que pode acontecer com uma pessoa. Uma das poucas chances de sobrevivência seria se o motor estivesse rodando em baixa velocidade e a pessoa estivesse usando equipamentos de proteção, ou caso ela se segurasse à borda do motor para não ser atingida, algo muito difícil de acontecer.

Veja o impacto de uma ave em um motor a jato em funcionamento:

Em 2015, um homem que trabalhava no aeroporto de Mumbai (Índia) morreu após ser sugado pelo motor de um avião comercial de grande porte. Ele teve seu corpo mutilado. Especulou-se à época que o acidente ocorreu pelo descumprimento de normas de segurança, já que o avião teria sido acelerado sem autorização.

Militar foi sugado e sobreviveu

A-6 - Montagem/Reprodução - Montagem/Reprodução
Sequência mostra militar sendo sugado por motor de avião; ele sobreviveu ao acidente
Imagem: Montagem/Reprodução

No ano de 1991, durante a operação Tempestade no Deserto, o ex-suboficial da Marinha dos Estados Unidos J. D. Bridges foi sugado em direção ao motor de uma aeronave da família A-6 Intruder, um avião de ataque que pode pesar até 27 toneladas.

A ação fazia parte da Guerra do Golfo, e o militar participava da operação de decolagem da aeronave de um porta-aviões. Ao ver que o fio de seu fone de ouvido estava enroscado no trem de pouso do A-6, ele se abaixou e andou em direção à frente da entrada de ar do motor para tentar liberar o equipamento.

Mas a força do ar sugou seu corpo para dentro do bocal do motor, lhe causando sérios machucados. Seu corpo ficou preso na entrada de ar, mas não foi jogado diretamente contra as palhetas do motor, onde poderia ter sido dilacerado.

A-6 - Divulgação/Northrop Grumman - Divulgação/Northrop Grumman
Avião da família A-6, o mesmo que sugou o militar na Guerra do Golfo: corpo ficou preso na entrada do motor
Imagem: Divulgação/Northrop Grumman

À época, especulou-se que, como o capacete do militar não estava preso adequadamente à sua cabeça, ele se soltou e foi de encontro ao núcleo do motor junto com suas luvas e óculos, o que causou um dano, fazendo a rotação diminuir. O piloto reduziu a aceleração poucos instantes após perceber o problema e ser alertado pela tripulação do navio.

Mesmo com todo o susto, Bridges saiu com poucas lesões e falou sobre o momento do acidente em diversas entrevistas. "Meu colete flutuante, minha camisa, minha blusa foram mastigados e os pedaços estavam à minha volta", disse.

"Todo ar estava passando pela entrada de ar e o meu estava sendo sugado, eu não conseguia respirar. Então, escutei ele [o piloto] desligar o motor e olhei para trás. Aí, comecei a me arrastar para fora, e essa é a última coisa que me lembro", disse o militar poucos dias após o acidente, em uma entrevista.

Veja o momento em que o militar é sugado pelo motor do avião:

PUBLICIDADE