PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Todos a Bordo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Táxi-aéreo sofre 16 vezes mais acidentes que aviões comerciais grandes

Avião que caiu com Marília Mendonça e equipe é retirado de cachoeira em MG - Divulgação/Fervel Auto Socorro
Avião que caiu com Marília Mendonça e equipe é retirado de cachoeira em MG Imagem: Divulgação/Fervel Auto Socorro

Alexandre Saconi

Colaboração para o UOL, em São Paulo

11/11/2021 04h00

A morte de Marília Mendonça na sexta-feira (5) reacendeu uma dúvida sobre a segurança aérea no Brasil. Os aviões pequenos são mais perigosos do que os grandes? Os números mostram que o índice de acidentes entre aparelhos de taxi-aéreo, como o da cantora e compositora, é 16 vezes maior que o de um avião comercial de passageiros.

Há muito mais aviões pequenos do que grandes: no Brasil, existem 21.767 aeronaves pequenas e apenas 642 aviões grandes. Mas essa conta já considera isso e avalia o número de acidentes por milhão de decolagens em cada uma das categorias. Aviões comerciais grandes têm 1,27 acidente por milhão de decolagens. Táxis-aéreos registram 19,95 acidentes por milhão de decolagens, segundo dados da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

E o táxi-aéreo ainda é o segundo mais seguro. O pior índice de todos é o dos aviões agrícolas, com 131,46 acidentes por milhão de decolagens.

Taxa de acidentes no Brasil em 2020, por milhão de decolagens, segundo a Anac:

  • Avião comercial de passageiros: 1,27 acidente por milhão de decolagens
  • Táxi-aéreo: 19,95 acidentes
  • Avião particular: 84,88 acidentes
  • Instrução: 94,21 acidentes
  • Agrícola: 131,46 acidentes

Então aviões pequenos são menos seguros?

Especialistas dizem que esses números não querem dizer que os aviões pequenos sejam mais perigosos. Segundo eles, trata-se dos padrões de operação e exigência em cada categoria de aviação. Também há erros humanos.

O piloto Raul Marinho, gerente técnico da Associação Brasileira de Aviação Geral (Abag), diz que "a segurança de voo tem muito mais relação com a maneira como o avião é operado do que com o modelo de aeronave em si".

Se o modelo foi certificado pela autoridade aeronáutica, ele cumpre os requisitos mínimos de segurança. Um avião que tem as manutenções em dia, com pilotos corretamente qualificados e que opere em locais com boa infraestrutura, possui um nível de risco ínfimo e dificilmente sofrerá um acidente.
Raul Marinho

Segundo ele, os procedimentos e as regras fazem toda a diferença.

Alguns segmentos da aviação que contam com mais camadas de segurança, com programas de treinamento e manutenção certificados e fiscalizados pela Anac, com análise de pistas de pouso e decolagem e sistemas de gerenciamento de segurança, registram muito menos acidentes.
Raul Marinho

Aviões grandes operam em melhores aeroportos

    De acordo com Marinho, há mais rigor nos procedimentos e certificações da aviação comercial.

    "Aviões maiores só operam em aeroportos de grande porte, com pistas maiores, torre de controle, auxílios à navegação. Por sua vez, aviões menores voam nesses locais, mas, também, em aeroportos com pistas menores e mais estreitas, com outro tipo de operação", diz Marinho.

    Miguel Angelo Rodeguero, diretor de segurança operacional da Aopa Brasil (Associação de Pilotos e Proprietários de Aeronaves), afirma que não é questão de um tipo de avião ser mais ou menos seguro que outro.

    "O ambiente do avião que voa a aviação comercial é diferente do ambiente que voa um avião da aviação geral", diz o piloto.

    Ele ainda afirma que todos os tipos de operações são seguros, mas que, no caso da aviação comercial, existe um nível maior de informações à disposição das equipes, os pilotos são treinados em simuladores mais avançados, entre outras questões.

    "Os aviões da aviação geral, por exemplo, vão a lugares sem os mesmos requisitos que o avião de grande porte precisaria ter para operar", afirma Rodeguero.

    Aviação agrícola tem mais acidentes

    Ipanema - Divulgação/Embraer - Divulgação/Embraer
    Ipanema, da Embraer: avião agrícola com mais unidades registradas no Brasil
    Imagem: Divulgação/Embraer

    Proporcionalmente, a aviação agrícola tem um índice de acidentes maior que os demais tipos. Em 2021, a categoria registrou 24 acidentes até novembro, com o registro de duas mortes no ano.

    A principal causa de acidentes no período nesse segmento foi falha no motor ou perda de controle em voo, ocasionando as quedas.

    Diferentemente da aviação comercial, esses aviões costumam operar em pistas com menor preparo. Junto a isso, voam próximos a obstáculos, como torres de energia, e em baixas altitudes, onde é mais difícil reagir em caso de emergências.

    Ao todo, em 2020, foram registrados 122 acidentes na aviação civil no Brasil ao todo, segundo a Anac. Veja como foi a participação de cada tipo de operação no total nacional:

    • Privada (aviões particulares): 40,91%
    • Agrícola: 33,64%
    • Instrução: 13,64%
    • Pública: 4,55%
    • Serviços aéreos especializados: 3,64%
    • Táxi-aéreo: 2,73%
    • Avião comercial de passageiros: 0,91%

    PUBLICIDADE