UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

27/06/2011 - 11h31

Crises serão mais frequentes na economia global, diz OCDE

Um relatório da organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) afirma que grandes choques na economia global deverão ser mais frequentes e causar mais problemas econômicos e sociais.

O relatório Future Global Shocks afirma que o contágio de eventos como uma crise financeira ou uma epidemia deve aumentar devido à crescente interconectividade da economia global e a velocidade com que pessoas, mercadorias e informações viajam.

O documento analisa cinco grandes riscos em potencial para os próximos anos: uma epidemia, um ataque de hackers que poderia prejudicar o funcionamento de partes importantes da infraestrutura mundial, uma crise financeira, problemas socioeconômicos e uma tempestade geomagnética.

O relatório da OCDE detalha como os incêndios que destruíram um quinto da lavoura de trigo da Rússia em 2010 levaram ao aumento dos preços de alimentos nos mercados globais.

Estes aumentos, por sua vez, desencadearam as rebeliões no Oriente Médio e Norte da África.

Preços de alimentos e epidemias

De acordo com o documento, a relação entre a destruição das lavouras de trigo da Rússia e o levante dos países árabes mostra como a resposta do governo russo aos temores de falta de alimentos combinada com as enchentes na Austrália e Canadá, geraram os aumentos dos preços dos alimentos no mundo todo.

"Especialistas hoje reconhecem que o alto preço dos alimentos forneceu o ponto de ruptura para os inúmeros movimentos de protesto que ocorreram no Oriente Médio e Norte da África", afirma o relatório.

Ao falar sobre a ameaça crescente de epidemias, o relatório da OCDE cita a gripe H1N1 em 2009, como um "caso que representa o contexto moderno do risco de um choque global devido a uma epidemia".

Segundo o documento, o caso de 2009 "dá oportunidade para aprender a lidar com uma epidemia, o que funciona e o que não funciona, como as tendências macroeconômicas, como o aumento da população, globalização, uso de redes sociais, mudanças demográficas e interdependências influenciam o risco".

Para a OCDE existem grandes lições aprendidas depois da epidemia da gripe H1N1, sendo que a primeira delas é que não há informações suficientes disponíveis para serem compartilhadas em tempo real a respeito de relações de risco da epidemia.

O relatório também destaca que existe uma enorme falta de planejamento para a criação e aplicação de medidas médicas para enfrentar a doença - incluindo a distribuição de remédios e vacinas - e também medidas não relacionadas a cuidados médicos como programas de informação pública, e recomendações para restrições de viagens e reuniões (fechamentos de escolas e locais de trabalho, por exemplo).

A OCDE também afirma que são necessários esforços básicos de pesquisa, financeiramente sustentáveis, para basear a preparação, resposta e reconstrução, antes, durante e depois de uma epidemia.

'Consequências catastróficas'

Segundo o documento, "nos últimos seis anos as ameaças naturais causaram consequências catastróficas em todo o mundo. Tsunamis, furacões, enchentes, terremotos e erupções vulcânicas causaram centenas de milhares de mortes e prejuízos de bilhões de dólares".

No entanto, o documento destaca as tempestades geomagnéticas ("uma espécie de manifestação do clima espacial"), que reconhece ser bem menos frequente, mas com potencial para causar danos em todo o mundo.

"No passado, as tempestades geomagnéticas prejudicaram bens baseados no espaço e também terrestres como redes de transmissão de energia elétrica. Transformadores de extra-alta voltagem e suas linhas retransmissoras (...) são particularmente vulneráveis a correntes geomagneticamente induzidas causadas pela perturbação do campo geomagnético da Terra."

Para a OCDE, a perda simultânea destes bens pode causar um colapso e levar a interrupção do fornecimento de energia elétrica em cascata.

Desastres e choques

O relatório da OCDE afirma que apesar de desastres em larga escala fornecerem um ponto de referência para o planejamento dos governos, choques globais terão consequências bem mais dramáticas e exigirão novas abordagens para melhorar a cooperação e coordenação internacional.

Para a organização, é preciso aumentar os esforços para conseguir mais informações e uma variedade de modelos de simulação para melhor prever e avaliar choques em potencial.

O documento também afirma que é preciso aumentar os recursos destinados à vigilância e monitoramento de ameaças e sistemas de alerta, além de adotar uma abordagem coordenada entre os vários países, para reduzir ou paralisar as ameaças antes que elas se proliferem.

Veja mais

Hospedagem: UOL Host