! Consumidor gasta mais quando paga com cartão do que quando usa dinheiro - 09/09/2008 - InfoMoney
 

09/09/2008 - 17h38

Consumidor gasta mais quando paga com cartão do que quando usa dinheiro

SÃO PAULO - O uso dos meios eletrônicos de pagamento tem caído, cada vez mais, no gosto do consumidor. Seja por segurança ou por praticidade, muitas pessoas atualmente contam mais com cartões de crédito e débito na carteira do que o chamado "dinheiro vivo".

Pesquisa feita pela Universidade da Califórnia e pela Universidade de Maryland, nos EUA, sobre o comportamento do consumidor em relação aos diferentes meios de pagamento, mostrou que as pessoas estão mais propensas a gastar ou pagar mais quando usam cartão de crédito do que quando usam dinheiro.

Segundo o estudo, chamado de "Monopoly Money: The Effect of Payment Coupling and Form in Spending Behavior" (algo como "O efeito da forma de pagamento no comportamento dos gastos"), uma das razões para esse comportamento, muitas vezes inconsciente, é a diferença no que os estudiosos chamaram de "a dor de pagar" (pain of paying).

Pain of paying

De acordo com o levantamento, os outros meios de pagamento são menos transparentes que o papel, ou seja, a pessoa não tem a sensação de ver o dinheiro saindo de suas mãos. Com o dinheiro em papel, por outro lado, a "dor de pagar" é sentida com maior nitidez.

"Em outras palavras, a dor de pagar é amenizada em meios de pagamentos menos transparentes, como cartão, aumentando, assim, a probabilidade de gastos", diz o estudo.

Coisa de criança

Quem nunca presenciou ou conhece alguém que vivenciou o seguinte diálogo entre pai e filho:
    - Pai, compra um brinquedo para mim? - Hoje não meu filho, estou sem dinheiro. - Ah pai, usa o cartão!


Atitude de criança, ou não, é exatamente desta forma que o estudo norte-americano definiu o comportamento do consumidor diante de diferentes meios de pagamento. Por não ter a forma física do dinheiro e, muitas vezes, por não ver sair de sua conta bancária no ato da compra, usar o crédito do plástico é uma forma de induzir e justificar os gastos maiores.

"Embora equivalente em valor nominal, a diferença intrínseca de forma física e aparência serve para anestesiar a dor de pagar", resumiu o estudo.

Consumo consciente

Diante dos resultados do levantamento, fica claro que as pessoas devem tentar ser mais racionais na hora das compras. Cartão, dinheiro, cheque ou outros meios de pagamento... todos têm valor e saem de um mesmo lugar: seu bolso!

Mesmo que de formas físicas diferentes, em algum momento você terá que se deparar com o pagamento da fatura do cartão ou com a compensação do cheque. E são nessas horas que bate o arrependimento.

Para evitar esse tipo de situação, que certamente vai desequilibrar seu planejamento, pondere seus gastos, planeje suas compras e evite o consumo exagerado. Se você acha que difícil pensar racionalmente com um cartão de crédito das mãos - o que é bem comum com grande parte da população - procure, num primeiro momento, sair apenas com dinheiro. Desta forma, fica mais fácil resistir ao impulso de comprar!