! Fundos imobiliários rendem 35% em 2012 e deixam bolsa e renda fixa para trás - 02/01/2013 - InfoMoney
 

02/01/2013 - 12h28

Fundos imobiliários rendem 35% em 2012 e deixam bolsa e renda fixa para trás

SÃO PAULO – Os fundos imobiliários renderam mais de 30% em 2012 e deixaram a maioria dos investimentos para trás no ano que se encerrou. O Ifix, índice que mede o desempenho dos fundos imobiliários mais líquidos negociados na BM&FBovespa, valorizou 35,02% entre janeiro e dezembro do ano passado, bem acima do Ibovespa (principal índice da Bolsa de valores paulista), que subiu 7,40%, e do CDI (Certificado de Depósito Interbancário), que avançou 7,82% no mesmo período.

De acordo com especialistas, um dos principais responsáveis pela forte valorização dos fundos em 2012 foi a queda da Selic (taxa básica de juros), que no final do ano estava em 7,25%, menor nível da história.

Com a Selic mais baixa, os investidores que antes conseguiam uma rentabilidade de cerca de 0,8% ao mês em aplicações de risco baixo agora estão ganhando muito menos do que isso na renda fixa tradicional. Assim, aplicações um pouco mais arriscadas passam a entrar no radar daqueles que querem um rendimento mais atrativo.

"As pessoas físicas descobriram os fundos e perceberam que tinham uma outra alternativa muito simples e fácil de investir", aponta o advogado e especialista em fundos imobiliários, Arthur Vieira de Moraes.

Número de fundos disponíveis aumentou em 2012

No ano que se encerrou, o volume de investidores e de fundos negociados na bolsa também deram um salto. No final de 2011, os investidores podiam escolher entre 66 fundos disponíveis para negociação na Bovespa. Em novembro do ano passado (último dado disponível), havia 87 fundos.

A quantidade de investidores aumentou consideravelmente, passando de 35,2 mil para 96,2 mil no período (175% de crescimento). E, para o próximo ano, a expectativa segue otimista. "Acho que vamos ter um 2013 ainda melhor do que este ano agora. A popularização dos fundos está só começando", afirma o consultor de investimentos e fundador do site Fundoimobiliário, Sérgio Belleza.

Já em relação à rentabilidade, muitos especialistas acham que este ano os fundos ainda devem continuar sendo uma opção interessante, mas que a valorização dificilmente será tão forte quanto em 2012, já que a Selic não deve mais sofrer tantos cortes. 

Na opinião de Moraes, também é importante que o investidor se atente para o tipo de fundo imobiliário que está comprando e o setor que ele atua. "Tem muita entrega de laje programada para o ano que vem, então os fundos de lajes corporativas talvez comecem a enfrentar um pouco mais de vacância (desocupação dos imóveis). Também verificamos uma entrega elevada de galpões de logística este ano, o que também pode gerar um aumento da vacância", aponta.

Ouro foi um dos investimentos mais rentáveis do ano

Balizado pelo câmbio e pelo avanço do preço no mercado internacional, o ouro valorizou 15,26% e foi um dos investimentos mais rentáveis do ano passado. De acordo com especialistas, o que justifica o resultado são as dúvidas em torno da capacidade dos países desenvolvidos resolverem o imbróglio da crise financeira, o que levou muitos investidores a procurarem por ativos "reais", como o metal precioso.

Já o dólar registrou valorização de 8,94% no ano, apesar da queda de 4,15% no último mês de 2012, beneficiado pelas sucessivas medidas do governo com objetivo de desvalorizar o real. Outro fator que contribuiu para o desempenho do dólar foi a aversão ao risco por parte dos investidores internacionais.

A caderneta de poupança, por sua vez, acumulou retorno de 6,33% nos doze meses de 2012.

Veja mais