! Banco Panamericano registra lucro de R$ 76,1 milhões no 1º trimestre - 16/05/2011 - Economia - Notícias - Valor
 

16/05/2011 - 10h06

Banco Panamericano registra lucro de R$ 76,1 milhões no 1º trimestre

SÃO PAULO - O banco Panamericano registrou lucro líquido de R$ 76,1 milhões no primeiro trimestre deste ano. A administração da instituição optou por desconsiderar dados anteriores à descoberta do rombo de R$ 4,3 bilhões nas contas do banco, em novembro do ano passado, e, por isso, não há a comparação anual dos resultados. No mês de dezembro de 2010, houve um prejuízo de R$ 133,6 milhões. Com a descoberta do rombo financeiro fruto de irregularidades e inconsistências contábeis, o BTG Pactual assumiu o controle do Panamericano, no lugar da Sílvio Santos Participações.

Ao fim de março, a carteira total de crédito do Panamericano somava R$ 10,2 bilhões, contra R$ 13,3 bilhões em dezembro do ano passado. Conforme a instituição financeira, a redução é atribuída à cessão de direitos creditórios no valor de cerca de R$ 3,5 bilhões ao Fundo Garantidor de Crédito (FGC), sem coobrigação.

Em nota, o Panamericano afirmou que vem adotando uma política de redução dos custos de captação e praticando taxas competitivas de mercado na emissão de novos certificados de depósitos a prazo. O crédito para pessoa física correspondia a 88% da carteira retida. No segmento de varejo, a originação de ativos de crédito teve produção média mensal de R$ 575 milhões. Ao fim de março, os recursos captados do banco totalizavam R$ 11,6 bilhões.

No segmento de financiamento de veículos, principal mercado de atuação do banco, foram concedidos R$ 985,9 milhões em novos financiamentos no trimestre.

A base total de cartões apresentou crescimento de 7,6% em relação a dezembro do ano passado. Entre janeiro e março, foram emitidos 292,6 mil novos plásticos. No mesmo período, o valor transacionado com os cartões de crédito Panamericano somou R$ 742,9 milhões.

O índice de Basileia, indicador que mensura a relação entre o patrimônio e os ativos de uma instituição financeira, passou de -5,74% em dezembro do ano passado para 13,45% ao fim de março, ante patamar mínimo de 11% exigido pelo Banco Central (BC).

(Ana Luísa Westphalen | Valor)