UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

04/11/2008 - 16h32

Tarifas de Itaú e Unibanco não devem subir nos próximos seis meses

SÃO PAULO - Os clientes do Unibanco e do Itaú podem respirar mais aliviados, pelo menos pelos próximos seis meses. A maioria das tarifas dos dois bancos não poderá sofrer reajuste nesse período.

Segundo a gerente jurídica do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), Karina Grou, as novas regras tarifárias do Banco Central não permitem aumentos em um intervalo menor que seis meses. "Recentemente, o Unibanco aumentou praticamente todas as suas tarifas e o Itaú fez o mesmo em pelo menos duas", afirma.

Ela também alerta para o fato de que, quem já é cliente de um dos dois bancos, deve ficar atento com os serviços. "Quem já é cliente precisa acompanhar o processo e esclarecer suas dúvidas nas agências, ouvidorias dos bancos e até órgãos de defesa do consumidor", diz.

Concorrência menor

Karina considera que a fusão das duas instituições irá diminuir a concorrência no setor. "Esse setor já tem uma concorrência pequena, sendo que o consumidor precisa de um banco, quase ninguém vive sem. O problema é que, onde não tem concorrência, ou tem pouca, tende-se a prejudicar o consumidor", explica.

A gerente também afirma que o Idec considera que todo processo de fusão tem que trazer benefícios para toda a sociedade, incluindo consumidores e trabalhadores. "A gente espera que o Banco Central e o Cade analisem a fusão e que o consumidor seja bem informado e esclarecido sobre o processo", diz.

Opiniões

Já o advogado e especialista em fusões e aquisições, Paulo Augusto Silva Novaes, acredita que a fusão traz tranqüilidade, pois cria uma nova instituição que assume totalmente os direitos e obrigações de cada uma delas. "Em tempo de crise financeira mundial, é um sinal positivo para os agentes econômicos brasileiros e estrangeiros", afirma.

"Embora nem sempre seja muito bem vista pelas autoridades da defesa da concorrência, em todo o mundo, a concentração é um fato da vida, assim como o movimento de sístole do coração. Esse pulso constitui, portanto, uma ação natural, assim como o seu oposto, a diástole, que significa desconcentração. É dessa maneira, ora contraída ora descontraída, que funcionam todos os organismos vivos, inclusive os mercados, que são criações do homem", considera.

Já o professor PhD da Fiap, Marcos Crivelaro, possui uma opinião mais semelhante à de Karina. "Esse afunilamento faz com que tenhamos muitas contas concentradas em poucos bancos e, conseqüentemente, reduz a concorrência. O resultado dessa equação é um elevado número de correntistas insatisfeitos com as condições que lhes são impostas e sem uma variedade de opções no mercado", explica.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host