PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Carla Araújo

Governo diz que detalhará datas da 3ª parcela dos R$ 600 na semana que vem

25.mai.2020 - Agência da Caixa Econômica Federal em Osasco (SP) registra fila; população busca pelo auxílio emergencial - Mineto/Futura Press/Estadão Conteúdo
25.mai.2020 - Agência da Caixa Econômica Federal em Osasco (SP) registra fila; população busca pelo auxílio emergencial Imagem: Mineto/Futura Press/Estadão Conteúdo
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

19/06/2020 12h32

O Ministério da Cidadania afirmou que vai detalhar na "semana que vem" o calendário da terceira parcela do auxílio emergencial de R$ 600 para ajudar trabalhadores sem carteira assinada, autônomos, MEIs e desempregados durante a crise gerada pela pandemia do coronavírus.

A pasta, comandada pelo ministro Onyx Lorenzoni, preferiu não se comprometer com uma data específica.

De acordo com os dados divulgados na quinta-feira (18) pelo ministério da Economia, já contando o pagamento da terceira parcela para integrantes do Bolsa Família, o total gasto com o benefício até o momento é de mais de R$ 81 bilhões.

Ao todo, segundo a pasta, 63,5 milhões de brasileiros, levando em conta todas as categorias de beneficiários, receberam os recursos de R$ 600 ou R$ 1.200.

A Cidadania é o responsável pela divulgação do calendário, enquanto a Caixa é que efetua os pagamentos.

Em seu balanço feito dia 17 de junho, a Caixa informou que foram recebidos 107,9 milhões de cadastros, entre Bolsa Família, Cadastro Único do Governo Federal e pessoas que fizeram o pedido via aplicativo ou site da instituição.

Do total de cadastros, 106,3 milhões já foram processados e 64,1 milhões estão entre os considerados elegíveis, ou seja, aptos a receber o benefício. Outros 42,2 milhões não se enquadraram nos critérios previstos pela Lei nº 13.982.

Há ainda 1,1 milhão na fase de reanálise e 1,5 milhão que estão tendo o cadastro avaliado pela primeira vez, por terem feito o pedido nos últimos dias.

Devolução

De acordo com o ministério da Cidadania, até o momento, 47,7 mil pessoas que receberam o benefício, mas não se enquadravam nos critérios da lei, devolveram os recursos do auxílio emergencial. "Com isso, voltaram aos cofres públicos R$ 39,6 milhões", afirma a pasta.

A CGU (Controladoria-Geral da União) divulgou no início do mês a lista de todos os brasileiros que receberam o auxílio emergencial.
Na lista, há a opção para denunciar um benefício concedido de forma indevida ou ainda apontar que o próprio cidadão recebeu o crédito indevidamente.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.