Só para assinantesAssine UOL
Opinião

Ibovespa: Deflação na China e vendas do comércio estão no foco do dia

Esta é a versão online da newsletter Por Dentro da Bolsa enviada hoje (09). Quer receber antes o boletim e diretamente no seu email? Clique aqui. Os assinantes UOL ainda podem receber dez newsletters exclusivas toda semana.

********

No Brasil, investidores devem reagir aos dados do comércio. As vendas ficaram estáveis em junho e fecharam o semestre com alta de 1,3%, de acordo com os dados divulgados hoje pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O setor de combustíveis e lubrificantes foi um dos principais responsáveis pelo crescimento do varejo no semestre. Outro destaque foi o setor de hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo.

Balanços seguem movimentando o mercado nesta quarta. O calendário de balanços tem como destaques os resultados de Banco do Brasil (BBAS3), BTG (BPAC11), Cogna Educação (COGN3), Marisa Lojas (AMAR3), Minerva (BEEF3), MRV Engenharia (MRVE3), entre outros. No campo político, o governo deve apresentar o novo PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) na sexta-feira (11), prometendo executar pelo menos uma obra em cada Estado.

Na Ásia, as bolsas não tiveram sinal único. Os investidores reagiam aos temores sobre a saúde do setor bancário dos Estados Unidos e refletiam a divulgação do índice de preços ao consumidor (CPI) da China. A bolsa de Xangai fechou em baixa de 0,49%, e a de Shenzhen, caiu 0,60%. Na Bolsa de Tóquio, o índice Nikkei fechou em queda de 0,53%, o índice Kospi contrastou dos principais ao registrar alta de 1,21%. Em Hong Kong, o índice Hang Seng fechou com ganho de 0,32%, já na Bolsa de Taiwan, o índice Taiex caiu 0,04%.

O índice de preços ao consumidor (CPI) da China teve queda de 0,3% em julho. Na comparação anual, os dados vieram menor do que o esperado pelo mercado, que era de uma baixa de 0,4%. O índice de preços ao produtor (PPI) caiu 4,4% em julho, também na leitura anual, ante expectativa de queda de 4%. Os números da inflação e as exportações e importações fracas, vistas nos dados de ontem da balança comercial, apontam para uma recuperação "fraca" no mês no país.

Futuros americanos estão no positivo após perdas na sessão anterior. Ontem pesou a aversão ao risco, especialmente pelos dados econômicos fracos da China e cortes de classificação de crédito da Moody's em 10 bancos pequenos e médios. Agora os investidores aguardam pela divulgação da inflação ao consumidor (CPI) que sairá nessa quinta-feira nos Estados Unidos. Além disso, continuam as publicações dos resultados trimestrais das empresas americanas.

Na Europa, as bolsas operam com ganhos. Dados da inflação da China vem sendo avaliados, em meio a especulações sobre potenciais novas medidas de apoio do governo local. A boa notícia é que o governo da Itália anunciou um recuo parcial em um imposto anunciado para este ano sobre o setor bancário, o que ampara a recuperação destes papéis. Segundo a agência Ansa, um imposto de 40% sobre lucros extras dos bancos da Itália em 2023 terá um teto, equivalente a 0,1% dos ativos totais de cada instituição. Os investidores também continuam analisando a temporada de balanços em andamento no continente.

No campo corporativo, a Gerdau registrou lucro no segundo trimestre. O lucro líquido ajustado foi de R$ 2,143 bilhões, queda de 50,1% em comparação com o segundo trimestre de 2022. A geração de caixa medida pelo Ebitda ajustado apresentou redução de 43,2% na comparação anual. A empresa anunciou que vai pagar dividendos no valor de R$ 752,130 milhões, o equivalente a R$ 0,43 por ação, no dia 29 de agosto. A data ex será no dia 21 de agosto.

Continua após a publicidade

A Braskem teve prejuízo. A companhia teve prejuízo de R$ 771 milhões no segundo trimestre, menor do que o resultado negativo de R$ 1,4 bilhões do ano anterior. O Ebitda recorrente somou R$ 703 milhões, queda de 82%. A empresa registrou ao fim de junho uma provisão de R$ 6,532 bilhões para implementação das diversas medidas referentes ao evento geológico em Alagoas. O valor é menor que os R$ 6,627 bilhões dedicados em dezembro.

Raia Drogasil lucrou no segundo trimestre. O lucro líquido da companhia foi de R$ 363,2 milhões, uma queda de 2,4% na comparação anual. O Ebitda somou R$ 788,7 milhões, alta de 2,3% em relação ao mesmo período de 2022.

Totvs também registrou lucro. A empresa teve lucro líquido ajustado de R$ 113,6 milhões no segundo trimestre, alta de 2,9% na comparação anual. O Ebitda ajustado somou R$ 256,2 milhões, avanço de 11,7% em relação ao mesmo período de 2022.

Copel é privatizada e operação movimenta R$ 5,2 bilhões. As ações da Companhia Paranaense de Energia foram vendidas a R$ 8,25, um ágio de 5% em relação ao preço de referência estabelecido pela companhia no lançamento da oferta, em 26 de julho, de R$ 7,85 por ação.

**********

Veja como foi o fechamento de dólar, euro e Bolsa na terça-feira (8):

Continua após a publicidade

Dólar: +0,061%, a R$ 4,898
Euro: -0,371%, a R$ 5,366
B3 (Ibovespa): -0,24%, aos 119.090,24 pontos

**********
NA NEWSLETTER UOL INVESTIMENTOS

Edificações que chamam atenção pela beleza da estrutura ou contexto histórico também podem virar investimentos por meio de fundos imobiliários (FIIs). Na newsletter UOL Investimentos, você fica sabendo como investir em imóveis que são sede de empresas como Google, Globo e Banco do Brasil. Para se cadastrar e receber a newsletter semanal, clique aqui.

Queremos ouvir você

Tem alguma dúvida ou sugestão sobre investimentos? Mande sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

As opiniões emitidas neste texto são de responsabilidade exclusiva da equipe de Research do PagBank e elaboradas por analistas certificados. O PagBank PagSeguro e a Redação do UOL não têm nenhuma responsabilidade por tais opiniões. A única intenção é fornecer informações sobre o mercado e produtos financeiros, baseadas em dados de conhecimento público, conforme fontes devidamente indicadas, de modo que não representam nenhum compromisso e/ou recomendação de negócios por parte do UOL. As informações fornecidas por terceiros e/ou profissionais convidados não expressam a opinião do UOL, nem de quaisquer empresas de seu grupo, não se responsabilizando o UOL pela sua veracidade ou exatidão. Os produtos de investimentos mencionados neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão preencher o questionário de suitability para a identificação do seu perfil de investidor e da compatibilidade do produto de investimento escolhido. As informações aqui veiculadas não devem ser consideradas como a única fonte para o processo decisório do investidor, sendo recomendável que este busque orientação independente e leia atentamente os materiais técnicos relativos a cada produto. As projeções e preços apresentados estão sujeitos a variações e podem impactar os portfolios de investimento, causando perdas aos investidores. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de resultados futuros. Este conteúdo não deve ser reproduzido no todo ou em parte, redistribuído ou transmitido para qualquer outra pessoa sem o consentimento prévio do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes