Só para assinantesAssine UOL
Opinião

Ibovespa: ata do Copom, inflação na Europa e dados do Japão são destaques

Esta é a versão online da newsletter Por Dentro da Bolsa enviada hoje (19). Quer receber antes o boletim e diretamente no seu email? Clique aqui. Os assinantes UOL ainda podem receber dez newsletters exclusivas toda semana.

********

No Brasil, a atenção do mercado deve se voltar para a Ata do Copom. Investidores devem buscar no documento sinalizações sobre o ritmo de redução da Selic. Na agenda política, o Congresso Nacional deve votar hoje o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2024. O Ibovespa renovou novamente seu topo histórico, fechando o pregão do dia de ontem a 131.083 pontos. A bolsa local foi beneficiada pelo aumento do preço do petróleo, o que levou a uma valorização da Petrobras, além da continuidade do sentimento mais positivo em relação ao ciclo de redução de juros aqui o Brasil. O dia também foi marcado pela continuidade do movimento de fechamento da curva de juros, com a queda das taxas dos DIs futuros.

Nos EUA, os futuros dos principais índices acionários operam em alta. Para hoje, o mercado deve acompanhar os dados sobre o mercado imobiliários dos EUA, com os números de licenças de construção e construção de novas casa em novembro. Apesar de alguns membros do Fed terem sinalizado nos últimos dias uma visão mais conservadora em relação ao ritmo da redução dos juros nos EUA, o mercado segue otimista com o processo de afrouxamento monetário no país. O S&P 500 fechou na sexta-feira passada a sua sétima semana seguida de alta, o maior ganho consecutivo desde 2017. Um dos fatores que vem contribuindo para o desempenho positivo da bolsa local é a queda das taxas dos títulos públicos de longo prazo dos EUA, que vem em queda desde o início de novembro.

Na Europa, as bolsas operam em leve alta. Em um dia de agenda econômica reduzida na região, o grande destaque ficou para a divulgação dos dados sobre a inflação na Zona do Euro. O índice de preços ao consumidor caiu 0,6% em novembro, abaixo das estimativas de redução de 0,5%. No acumulado dos últimos doze meses, o índice apresentou alta de 2,4%. A inflação abaixo do esperado na região, somada com a sinalização do início do ciclo de corte de juros nos EUA, contribui para a visão de que também há espaço para o Banco Central Europeu iniciar o seu ciclo de afrouxamento monetário.

Na Ásia, as bolsas fecharam majoritariamente no terreno positivo. Ao final do dia de hoje, o Banco Popular da China (PBoc) decidirá sobre o patamar dos juros na segunda maior economia do mundo. No Japão, o Nikkei apresentou valorização de 1,41%. O movimento de alta da bolsa japonesa veio após o Banco do Japão (BoJ) decidir por manter a taxa de juros do país inalterada. Em Hong Kong, o Hang Seng recuou 0,75%, enquanto na Coreia do Sul, o Kospi apresentou valorização de 0,07%. O Shangai Composto fechou em alta de 0,05%, e o Shenzen Composto subiu 0,12%.

O petróleo opera em queda, com o Brent a US$ 77,70 e o WTI a US$ 72,12. O mercado segue acompanhando o impacto que os ataques a navios petroleiros no Mar Vermelho podem ocasionar na oferta de petróleo. O minério de ferro apresentou leve queda em Dalian, a US$ 130,25. Os trabalhos de manutenção em algumas siderúrgicas na China acabaram pesando sobre a commodity.

A Vivo e a Auren firmaram acordo de investimento para a constituição de uma joint-venture focada na comercialização de soluções customizadas em energia em todo o Brasil. Ao associar o know-how da Auren na geração e comercialização de energia à capacidade de distribuição em escala da Vivo, a joint-venture pretende se posicionar no mercado livre de energia do Brasil, cuja abertura vem sendo implementada de forma gradativa e, a partir de janeiro de 2024, estará acessível a clientes do setor empresarial ligados à rede de alta tensão com demanda inferior a 500 kW. A JV ainda deve se preparar para atuar no segmento de baixa tensão e residencial em um cenário de abertura total do mercado de eletricidade brasileiro.

O Conselho de Administração da Sabesp aprovou o PPI (Plano Plurianual de Investimento) para o período 2024 a 2028. A companhia deve investir nesse período R$ 47,4 bilhões, sendo que R$ 8,1 bilhões serão investidos no próximo ano. Os valores constantes do PPI ainda não consideram efeitos do processo de desestatização, dentre eles a ampliação da área de concessão com o consequente aumento da população atendida, bem como a antecipação das metas de universalização, que está em fase de detalhamento sob coordenação do Governo do Estado de São Paulo. Uma vez finalizado, fará parte da documentação do processo de venda de ações e ocasionará a revisão dos valores do PPI.

Continua após a publicidade

A Assembleia Geral Extraordinária da Copel aprovou a extinção do seu Programa de Units. A aprovação resultará no cancelamento dos certificados de depósito de ações ("Units") (CPLE11) e a consequente entrega das 5 (cinco) ações de emissão da Companhia subjacentes a cada Unit, sendo 1 (uma) ação ordinária (CPLE3) e 4 (quatro) ações preferenciais classe "B" (CPLE6). O último dia de negociação das Units será em 22/12/23, sendo que o crédito das ações ordinárias e preferenciais para os acionistas ocorrerá em 28/12/23.

************

Veja o fechamento de dólar, euro e Bolsa na segunda-feira (18):

Dólar: -0,65%, a R$ 4,9041
Euro: -0,49%, a R$ 5,3533
B3 (Ibovespa): 0,68%, aos 131.083,81 pontos

NA NEWSLETTER UOL INVESTIMENTOS

Depois que o Senado aprovou a taxação dos fundos exclusivos e investimentos offshore, milionários têm buscado novas alternativas para fazer o dinheiro render. A lei ainda precisa ser sancionada pelo presidente Lula e começa a valer só ano que vem, mas as mudanças já estão acontecendo. Um dos principais destinos do dinheiro são os fundos de previdência, que não estão sujeitos ao come-cotas e têm taxação regressiva. As dicas valem mesmo para quem não tem milhões na conta bancária. Na newsletter UOL Investimentos, você fica sabendo qual é esse fundo, como ele funciona e como investir nele. Para se cadastrar e receber a newsletter semanal, clique aqui.

Continua após a publicidade

Queremos ouvir você

Tem alguma dúvida ou sugestão sobre investimentos? Mande sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

As opiniões emitidas neste texto são de responsabilidade exclusiva da equipe de Research do PagBank e elaboradas por analistas certificados. O PagBank PagSeguro e a Redação do UOL não têm nenhuma responsabilidade por tais opiniões. A única intenção é fornecer informações sobre o mercado e produtos financeiros, baseadas em dados de conhecimento público, conforme fontes devidamente indicadas, de modo que não representam nenhum compromisso e/ou recomendação de negócios por parte do UOL. As informações fornecidas por terceiros e/ou profissionais convidados não expressam a opinião do UOL, nem de quaisquer empresas de seu grupo, não se responsabilizando o UOL pela sua veracidade ou exatidão. Os produtos de investimentos mencionados neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão preencher o questionário de suitability para a identificação do seu perfil de investidor e da compatibilidade do produto de investimento escolhido. As informações aqui veiculadas não devem ser consideradas como a única fonte para o processo decisório do investidor, sendo recomendável que este busque orientação independente e leia atentamente os materiais técnicos relativos a cada produto. As projeções e preços apresentados estão sujeitos a variações e podem impactar os portfolios de investimento, causando perdas aos investidores. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de resultados futuros. Este conteúdo não deve ser reproduzido no todo ou em parte, redistribuído ou transmitido para qualquer outra pessoa sem o consentimento prévio do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes