Só para assinantesAssine UOL

Onde investir a partir de R$ 1 para ganhar mais que a poupança

Muitas pessoas não investem por pensar que isso é só para quem tem muito dinheiro. Se no passado a maioria dos investimentos era pouco acessível, hoje há centenas de opções de investimento a partir de R$ 1. A vantagem para o investidor é ter ganhos acima da poupança e poder diversificar seus investimentos, mesmo com poucos recursos. Há alternativas para todos os perfis de investidor, dos mais conservadores aos mais arrojados, diz a planejadora financeira Anna Luisa Carvalho.

Quanto preciso ter para começar a investir?

O mais importante é começar. O cálculo de investimento por mês depende de uma série de variáveis, como objetivo, prazo e a possibilidade do investidor. Mas a planejadora explica que investir pouco, como R$ 10 por mês, faz a diferença principalmente na criação de um hábito. Isso ajuda a pesoa a aprender a investir, essencial para o longo prazo.

Aumente o valor progressivamente. Pensando no longo prazo, um valor baixo serve para começar. "Quanto mais prazo você tem para investir, maior é o poder dos juros compostos, no caso da renda fixa, e a possibilidade de tomar riscos na renda variável", explica Carvalho.

Mas investir R$ 1 por mês ou por semana é pouco dependendo do seu objetivo. "O valor que vai fazer diferença depende da renda da pessoa, do seu objetivo e do tempo que o valor ficará investido. Independente disso, R$ 1 por mês não será suficiente para ninguém (se aposentar ou enriquecer). O papel desse tipo de investimento é tornar o investimento mais acessível", avalia Anna Luisa Carvalho.

Quais investimentos existem por R$ 1

CDB e RDB são boas opções para começar. Bancos e instituições financeiras costumam oferecer CDB ou RDB com liquidez diária e rendimento de pelo menos 100% do CDI, explica Anna Luisa Carvalho. Isso significa que eles rendem um pouco menos que a Selic, a taxa básica de juros da economia, e podem ser sacados a qualquer momento. "Dentro do banco esse ativo fica muito acessível, porque muita gente ainda tem receio de ter conta em uma corretora. Esses ativos rendem mais do que a poupança", afirmou.

Veja quanto rendem R$ 1.000 em um ano, já com desconto do IR:

  • Poupança: R$ 1.081,80
  • CDB: Entre R$ 1.069,90 e R$ 1.107,18, dependendo do banco.
Continua após a publicidade

Fonte: Yubb

Poupança perde para outros ativos. Todos os bancos oferecem poupança, que não tem aporte mínimo e, por isso, é uma alternativa simples de começar a criar o hábito de poupar. Mas o rendimento é menor do que o de um CDB ou RDB com 100% do CDI. Além disso, a poupança remunera apenas no aniversário, enquanto um CDB pode ter rendimento diário, com liquidez também diária.

Investimentos devem seguir o perfil do investidor. Os investimentos em renda fixa são mais indicados para quem está começando e para quem tem perfil mais conservador. Além disso, são ideais para a reserva de emergência, que é uma reserva que pode ser resgatada no curto prazo.

Também há opções rentáveis com maior risco. Para prazo mais longo e mais risco, com possibilidade de maiores ganhos, há opções em fundos de investimento multimercado, de ações ou até com exposição à criptomoedas encontradas por R$ 1. Esse acesso vem sendo facilitado pelas plataformas de investimento e bancos digitais, avalia Victor Bueno, analista da Nord Research: "Isso vai abrindo leques que o investidor não conhecia e ele percebe que pode investir colocando pouco", afirmou.

Bancos, dos mais tradicionais aos digitais, têm investimentos tanto na renda fixa quanto na renda variável a valores acessíveis. Há fundos de investimentos em renda fixa e variável a partir de R$ 1, como é o caso do Banco do Brasil, Pagbank, Itaú, Santander e Inter. Nubank e Picpay também contam com investimentos de renda fixa personalizáveis, chamados de cofrinhos ou caixinhas. Há até investimentos em criptomoedas a R$ 1, como no caso do 99pay e Nubank.

Esses bancos também contam com CDBs de liquidez diária. Muitos deles têm investimento mínimo de R$ 1. Já para investimentos maiores, a rentabilidade também aumenta.

Continua após a publicidade

Quanto você teria ao investir cerca de R$ 1 por dia

Veja abaixo o valor bruto e líquido, considerando descontos, de alguns produtos:

  • Poupança R$ 375,41, R$ 375,41
  • Fundo de ações Ibovespa (Bradesco) R$ 364,98, R$ 364,24
  • Fundo Multimercado (Itaú Artax) R$ 381,29, R$ 377,27
  • Fundo de renda fixa (e-simples Caixa) R$ 382,01, R$ 377,61
  • Fundo de fundos (Santander Equilibro) R$ 385,64, R$ 380,52
  • Fundo de índice ETF S&P (Banco do Brasil) R$ 399,10 R$ 391,28

O analista explica que as simulações foram feitas considerando a performance passada dos fundos, o que não garante ganhos futuros. Os exemplos servem apenas para demonstrar que é possível ter ganhos acima da poupança em fundos que são acessíveis aos investidores. Não é uma recomendação de investimentos.

Ações de centavos: Penny stock vale o investimento?

No mercado brasileiro, são poucas as opções de investimento em ações por menos de R$ 1 (também chamadas penny stocks, que no mercado americano valem menos de um dólar) ou próximas a esse valor. Victor Bueno explica que isso acontece pois as ações não podem ser negociadas por menos de R$ 1 por mais de 30 pregões. "Quando isso acontece elas saem dos índices de referência. O investidor iniciante pode olhar para uma ação tão barata e achar que é uma oportunidade, mas os especialistas olham e percebem que essa empresa está enfrentando sérias dificuldades para entregar bons resultados."

Continua após a publicidade

Barato pode sair caro. "Existe ação de R$ 1 que está cara, e pode ter uma ação de R$ 100 que está barata, tudo é uma relação entre preço e valor, ou preço e resultados", afirma o especialista. Para quem busca mais risco, Bueno avalia que há boas opções na Bolsa acessíveis em ações por menos de R$ 10, mas é importante avaliar as oportunidades. Além disso, há boas opções com maior risco entre outros ativos, como fundos.

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes