ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

'É briga de cachorro grande', diz ex-embaixador Rubens Barbosa

Lu Aiko Otta

Brasília

05/04/2018 07h20

Quando dois importantes parceiros comerciais entram em confronto, o Brasil deve ter posição de cautela para não se prejudicar, avalia o ex-embaixador em Washington, Rubens Barbosa, presidente do conselho do Instituto de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Irice).

Ele acredita que o Brasil pode ser beneficiado com o aumento das vendas de produtos agropecuários para a China, mas não deve fazer nenhum movimento adicional em direção àquele mercado. Do contrário, pode prejudicar as negociações em curso com os Estados Unidos para livrar o aço brasileiro da sobretaxa de 25% anunciada no início de março.

Estamos diante de uma guerra comercial entre EUA e China?

Temos uma escalada de medidas e contramedidas. Os EUA aplicaram taxas sobre 1.300 produtos. A China reagiu e anunciou medidas contra soja, carne, produtos químicos. É uma situação complicada, mas não acho que vá sair do controle. A China está reagindo, mas não está tomando medidas adicionais. E reagiu mais estrategicamente do que de outra maneira. Pegou produtos que afetam diretamente Estados que são a base política do (Donald) Trump.

Como fica o Brasil na disputa?

O Brasil está numa posição em que tem de esperar para ver. Estamos numa frente de aço e alumínio com os Estados Unidos, negociando. E acho que sai daí alguma restrição voluntária de exportação.

E em relação à China?

Temos de esperar para ver o que vai acontecer. Se a China, com essas medidas, tornar inviável a exportação de soja americana, vai comprar no Brasil. A gente não precisa fazer nada.

Como assim?

Se houver espaço, a China vai tomar a iniciativa de procurar o Brasil. Se fizermos alguma coisa, podemos prejudicar a negociação com os americanos. Por isso, a estratégia tem de ser "wait and see" (esperar para ver). Defender a posição no aço e no alumínio junto ao governo americano e ficar esperando para ver, porque é briga de cachorro grande.

Além da soja, que outros produtos brasileiros poderiam ser beneficiados? A China ameaça taxar as importações de carne, carros e aviões dos EUA.

Acho que carne, soja e outros produtos agrícolas, temos de esperar para ver se ocupamos o espaço. Nos produtos industriais, avião, carro, isso é complicado. Com exceção da Embraer, que poderia aumentar a exportação para lá. Mas a Embraer já tem os canais azeitados com a China. Com carro, não temos competitividade para enfrentar os americanos. Tem a Coreia e outros que vão suprir o mercado chinês. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Será que a China é mesmo um país comunista?

UOL Notícias
Quando dois importantes parceiros comerciais entram em confronto, o Brasil deve ter posição de cautela para não se prejudicar, avalia o ex-embaixador em Washington, Rubens Barbosa, presidente do conselho do Instituto de Relaç","image":{"sizes":{"personalizado":"","original":"142x100"},"height":100,"width":142,"crops":"80x80;100x70;128x96;142x100;150x100;300x100;200x285;300x230;300x300;615x300;564x430;956x500;1024x768;1920x1080","src":"http://conteudo.imguol.com.br/2013/07/08/o-embaixador-rubens-barbosa-durante-o-lancamento-do-livro-mensalao---o-dia-a-dia-do-mais-importante-julgamento-da-histora-politica-do-brasil-do-escritor-e-jornalista-merval-pereira-na-1373324527073_142x100.jpg","type":"","titulo":"","credito":"Letícia Moreira/Folhapress"},"date":"05/04/2018 09h08","kicker":"Estadão Conteúdo"}}' cp-area='{"xs-sm":"49.88px","md-lg":"33.88px"}' config-name="economia/economia">

Mais Economia