PUBLICIDADE
IPCA
0,25 Fev.2020
Topo

Coluna

Carla Araújo


Presidente falha, mas é coerente em seu posicionamento, avaliam militares

Presidente Jair Bolsonaro usa máscara de proteção durante anúncio de medidas para conter o surto do novo coronavírus - ADRIANO MACHADO
Presidente Jair Bolsonaro usa máscara de proteção durante anúncio de medidas para conter o surto do novo coronavírus Imagem: ADRIANO MACHADO
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

24/03/2020 22h08

"Tirando o sarcasmo, o presidente foi coerente em seu pronunciamento", avaliou um general que conhece bem a rotina do Palácio do Planalto a respeito da fala do presidente Jair Bolsonaro na noite desta terça-feira em cadeia nacional de Rádio e Televisão. Ao destacar a posição do Brasil em relação ao combate ao coronavírus, pandemia que preocupa o mundo, Bolsonaro voltou a falar em 'histeria' e na preocupação com as medidas econômicas.

"Devia ter falado mais das medidas que o governo implantou", destacou outra fonte militar do governo. A avaliação é de que o presidente não está errado ao destacar que os efeitos na economia podem ser tão nocivos com as consequências do coronavírus para a área da saúde, mas que é preciso escolher melhor a forma de se comunicar. "Será um caos total se a nossa economia parar", avaliou uma fonte.

Ao som de novos panelaços pelo país, o presidente aproveitou para reforçar que é contra uma paralisação total do país que pode ter efeitos nocivos à economia. "O vírus chegou, está sendo enfrentado por nós e brevemente passará. Nossa vida tem que continuar. Os empregos devem ser mantidos", disse Bolsonaro.

"Na prática, o confinamento vai estrangular a economia e o resultado será devastador. A fala do presidente é arriscada, mas em tese concordo com ele", destacou um general.

Já um militar que conhece bem o presidente destacou que há uma preocupação legítima com a economia, principalmente com os pequenos negócios. "E como vão ficar os donos dos pequenos comércios. Como vão ganhar o pão?", questionou. "Se é guerra, alguém vai morrer, mas não podemos nos matar para não ir a guerra", disse o general que auxilia o Bolsonaro.

Para outro general, já de uma ala crítica ao presidente, as declarações de hoje "não resgatam a liderança política necessária e que faltou até agora, apesar do excelente trabalho técnico do Ministro da Saúde", disse.

Ataques à imprensa

A postura do presidente em fazer um enfrentamento com a mídia também foi apontada como um erro de estratégia por parte de alguns militares. "Ele atacou a imprensa sem necessidade", disse um auxiliar. "A crítica à imprensa já é de praxe", destaca outro general.

Os militares têm acompanhado o desempenho do presidente durante a crise do coronavírus com algumas críticas reservadas. "O presidente tem que dar sustentação política para as recomendações técnicas", atestou um militar de alta patente.

Alguns apostam que o retorno do general Augusto Heleno, chefe de Segurança Institucional da Presidência (GSI), que está em quarentena após ter testado positivo para o coronavírus, pode ajudar a arrefecer a crise principalmente no suposto "ciúmes" do protagonismo do ministro da Saúde, Henrique Mandetta, nas ações do governo de combate ao coronavírus.

Com rumores do desgaste na relação entre presidente e o ministro da Saúde, o próprio Mandetta destacou recentemente em uma coletiva de imprensa que a voz do general Heleno era de lição e razão neste momento.

De novo sem medo da 'gripezinha'

O presidente, que tem se negado a divulgar exames atestando que não está com coronavírus, apesar de boa parte do seu entorno ter testado positivo para a doença, voltou a minimizar o risco do Covid-19.

"No meu caso particular, pelo meu histórico de atleta, caso fosse contaminado pelo vírus, não precisaria me preocupar, nada sentiria ou seria, quando muito, acometido de uma gripezinha ou resfriadinho, como bem disse aquele conhecido médico daquela conhecida televisão", afirmou, ironizando o médico Dráuzio Varella, que em janeiro gravou um vídeo dizendo que a doença não tinha chegado ao Brasil e que não havia razão para pânico.

No quesito da força física de Bolsonaro, ex-companheiros do Exército dizem que ele tem razão. "Como presidente ele pode não ser, mas como atleta eu atesto e baixo ele é 'uma Brastemp'", destacou um general.

A avaliação de auxiliares militares é de que no fundo o presidente realmente acredita que há uma histeria em torno do coronavírus e justamente por isso "escorrega em algumas falas e atos", como ir à manifestação do dia 15 de março e ter contato com o público, contrariando justamente as orientações de Mandetta e da Organização Mundial de Saúde para evitar a disseminação da doença no Brasil.

Errata: o texto foi atualizado
Ao contrário do que foi publicado anteriormente, o presidente Jair Bolsonaro referiu-se ao médico Dráuzio Varella por conta de um vídeo publicado pelo médico em janeiro, e não pela recente polêmica de uma reportagem em que ele mostrou a realidade de transexuais na cadeia.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Carla Araújo