PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Carla Araújo

Ministro da Defesa reitera interinidade de Pazuello e rechaça militarização

Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

19/05/2020 18h40

O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, disse nesta terça-feira que as recentes mudanças no comando do Ministério da Saúde não impactam diretamente nas ações das Forças Armadas de combate a covid-19 e reiterou que o atual ministro interino, general Eduardo Pazuello, "foi tirado das Forças Armadas para prestar um auxílio emergencial".

"Não tem influência quase alguma, nós prestamos apoio. Temos ai secretário-executivo, que é (ministro) interino, e foi tirado das Forças Armadas para prestar auxílio emergencial", afirmou o ministro a um grupo de jornalistas convidados para conhecer o Centro de Operações Conjuntas (COC), no Ministério da Defesa, em Brasília.

"Vamos continuar apoio normal. Nosso aspecto não é o político, nosso aspecto são as operações", completou o ministro.

Segundo Azevedo, não houve nenhuma mudança de diretriz repassada ao Ministério da Defesa por parte do Ministério da Saúde, após a saída de Nelson Teich. "Não teve outra orientação nenhuma", declarou Azevedo.

O General de Exército da reserva, Manoel Luiz Narvaz Pafiadache, que comanda a Secretaria de Pessoal, Ensino, Saúde e Desporto (SEPESD), do Ministério da Defesa, complementou a fala do ministro e disse que o trabalho conjunto interministerial tem funcionado normalmente.

O Chefe do Estado-Maior Conjunto do Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), de onde são programados os voos de transporte de matérias e profissionais para todo o Brasil, o Major-Brigadeiro Ricardo Mangrich também afirmou que as mudanças na pasta não afetaram em nada o trabalho das Forças Armadas no âmbito da Operação Covid-19.

"Nós lidamos com aspectos operacionais, nível ministerial é nível político. Uma política ou outra pode ter mudado, mas aqui não percebe", disse.

Militarização na Saúde

Questionado sobre o fato de o atual ministro interino da Saúde ter nomeado uma série de militares nesta terça-feira, Azevedo evitou tecer maiores comentários, mas justificou que qualquer decisão de nível de secretária-executiva nos ministérios tem aval ou influência do presidente Jair Bolsonaro.

"É uma decisão que cabe ao presidente. Ele solicitou apoio das Forças Armadas e nós estamos prestando o apoio. Se (Pazuello) vai permanecer menos ou mais tempo, isso tudo o presidente que resolve", declarou o ministro.

Nos bastidores, apesar de extremo respeito pela trajetória de Pazuello, militares que despacham no Palácio do Planalto chegaram a cogitar e torcer pela permanência no general na Saúde. No entanto, uma eventual efetivação do Pazuello como ministro não é bem vista na cúpula das Forças Armadas.

A ideia de Bolsonaro agora é ter calma para fazer a escolha do ministro definitivo. "A intenção é que ele não fique permanente, ele entrou numa emergência, vai ajudar neste momento, mas acho que seria mais útil como secretário-executivo", disse outro general à coluna.

Outra fonte de militar de alta patente afirmou ver como natural as nomeações dizendo que os escolhidos por Pazuello são da área administrativa e não política. "É claro que você vai levar para trabalhar quem você conhece", ressaltou um auxiliar do governo.

No Exército, a permanência de Pazuello também é vista como temporária já que ele continua como general da ativa e ainda teria ambições dentro da caserna.

Operação Covid-19

Iniciada em 19 de março, a Operação Covid-19 conta com um efetivo de 29.855 militares. O número, destaca a pasta, é maior do que o empregado durante a Segunda Guerra Mundial.

Além de um trabalho transporte de equipamentos de saúde e medicamentos para regiões mais necessitadas, a Operação conta com a distribuição de água e cestas básicas e realiza apoio em construção de hospitais de campanha.

Cabe ao Ministério da Defesa também campanhas de descontaminar áreas de circulação, como hospitais, metrôs, rodoviárias, aeroportos, estações de trens e escolas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.