PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Coluna

Carla Araújo


Carla Araújo

Banco Mundial confirma que aceitou Weintraub para diretoria do conselho

Ex-ministro da Educação Abraham Weintraub - ADRIANO MACHADO
Ex-ministro da Educação Abraham Weintraub Imagem: ADRIANO MACHADO
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

30/07/2020 22h24Atualizada em 30/07/2020 23h04

O Banco Mundial divulgou um comunicado, na noite desta quinta-feira, em que confirma que o ex-ministro da Educação Abraham Weintraub foi aceito para o cargo de diretor-executivo no conselho da instituição.

"O Banco Mundial confirma que o Sr. Abraham Weintraub foi eleito pelo grupo de países (conhecido como constituency) representando Brasil, Colômbia, República Dominicana, Equador, Haiti, Panamá, Filipinas, Suriname e Trinidad e Tobago para ser Diretor Executivo no Conselho do Banco", diz o texto.

"O Sr. Weintraub deve assumir seu cargo na primeira semana de agosto e cumprirá o atual mandato que termina em 31 de outubro de 2020, quando a posição será novamente aberta para eleição", completa.

A instituição fez questão de ressaltar no curto comunicado que o cargo de Weintraub não o torna funcionário do banco. "Diretores Executivos não são funcionários do Banco Mundial. Eles são nomeados ou eleitos pelos representantes dos nossos acionistas", diz.

Permanência se tornou insustentável

Weintraub deixou o cargo de ministro da Educação no dia 18 de junho, após uma série de desgastes que trouxe para o governo.

A principal delas foi o enfrentamento ao STF (Supremo Tribunal Federal) explicitado pela reunião ministerial de 22 de abril, que foi tornada pública por decisão do ministro Celso de Mello. O ministro chegou a prestar depoimento na Polícia Federal.

Além dos desgastes na área jurídica-policial, agora membros do governo computam a derrota no Fundeb a "omissão" do então ministro.

Auxiliares diretos do presidente, inclusive, não escondem a satisfação de ter "Weintraub bem longe". "Deixa ele lá em Miami", disse um ministro em condição de anonimato.

Saída relâmpago

Até na sua saída do Brasil, o ex-ministro provocou polêmica. Utilizou o passaporte ainda de ministro e tentou dar um caráter de "exílio" a sua saída.

A demissão e a necessidade de Weintraub sair do país - havia o receio de eventualmente ser preso se perdesse o foro - fez o presidente Jair Bolsonaro usar retificações no Diário Oficial da União.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Carla Araújo