PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Coluna

Carla Araújo


Carla Araújo

Além de valor menor, auxílio emergencial poderá ter público reduzido

Ministro da Economia, Paulo Guedes, ao lado do presidente Jair Bolsonaro - Adriano Machado
Ministro da Economia, Paulo Guedes, ao lado do presidente Jair Bolsonaro Imagem: Adriano Machado
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

18/08/2020 18h42Atualizada em 18/08/2020 20h38

O governo trabalha para solucionar a equação da extensão do auxílio emergencial, atualmente em R$ 600, para pelo menos até dezembro. Nos estudos que estão sendo feitos pela equipe do ministro Paulo Guedes há pelo menos mais uma variável que está sendo levada em consideração: a redução do público beneficiado pela medida.

Segundo uma fonte da equipe econômica, essa possibilidade de alteração está em discussão, já que o público que tem acesso ao benefício é amplo. Até o momento, mais de 66 milhões de brasileiros receberam o benefício. O volume gasto com o auxílio já passa de R$ 160 bilhões.

O benefício criado em abril deste ano, por conta da pandemia do coronavírus, atualmente é destinado a trabalhadores informais de qualquer tipo, inclusive intermitentes inativos, desempregados, MEIs (microempreendedores individuais) e contribuintes individuais da Previdência.

Fontes que confirmam a possibilidade de redução do público salientam que a mudança não está decidida.

Contas na mesa

Além dos destinatários da medida, o governo trabalha nos cálculos e negociações em torno do valor das próximas parcelas. Segundo um auxiliar de Guedes é "pouco provável" que a definição aconteça ainda nesta semana. Na primeira extensão que o governo fez, a medida foi anunciada às vésperas de seu vencimento.

O governo reconhece que o debate precisa ser feito em linha com o Congresso e queria acelerar o processo para poder ter mais tempo de discutir com os parlamentares a renovação do benefício.

Se o valor do benefício ficar abaixo dos atuais R$ 600, o governo terá que enviar uma nova medida ao Congresso. No momento, há em estudo a possibilidade de uma MP (Medida Provisória) para redução das parcelas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Carla Araújo