PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Silva e Luna ainda se diz focado em Itaipu e vê missão de Deus na Petrobras

General diz que é preciso aguardar aprovação do Conselho e que não quer ser indelicado com gestão atual - Kleyton Amorim/UOL
General diz que é preciso aguardar aprovação do Conselho e que não quer ser indelicado com gestão atual Imagem: Kleyton Amorim/UOL
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

22/02/2021 11h51

Indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para comandar a Petrobras, o general Joaquim Silva e Luna afirmou que o momento é de cautela, que é necessário aguardar a manifestação do Conselho de Administração da empresa, que precisa aprovar seu nome para substituir Roberto Castello Branco, mas que receberá a missão dada por Deus com responsabilidade.

"Sei da grande responsabilidade que é administrar uma empresa como a Petrobras. Mas tenham certeza que farei o melhor por ela e pelo Brasil, porque o que não me falta é humildade e vontade de trabalhar, aprender e acertar, sempre com espírito de equipe, adotando medidas tomadas em colegiado", disse à coluna.

O general disse ainda que se seu nome for aprovado estará "a postos para cumprir mais uma missão que Deus coloca em meu caminho e que foi confiada a mim pelo presidente Bolsonaro".

Em uma postura distinta da de Bolsonaro, que fez ataques a Castello Branco, Silva e Luna afirmou que não é o momento de falar da Petrobras, justamente para não ser indelicado com a gestão atual.

"Embora eu esteja feliz com a indicação do meu nome pelo presidente Jair Bolsonaro, para assumir a presidência da Petrobras, entendo que este é um momento que exige cautela. Não quero, de forma alguma, ser indelicado com a atual administração daquela que é a maior empresa estatal do Brasil. É preciso aguardar, com toda a tranquilidade, a manifestação do Conselho de Administração da Petrobras", afirmou. A reunião do Conselho está marcada para amanhã (23).

Balanço de dois anos

O general afirmou que ainda está envolvido com seu trabalho em Itaipu. "No momento, estou mergulhado nas questões da Itaipu Binacional, na qual ainda continuo a ter as responsabilidades do cargo de diretor-geral brasileiro", disse.

Chegando a marca de dois anos no cargo, o general prepara a transição e faz um balanço das suas ações no comando da Itaipu.

Entre os pontos destacados está a construção de uma nova ponte entre o Brasil e o Paraguai; a transformação do Aeroporto de Foz do Iguaçu; e a futura duplicação da rodovia mais importante para o turismo do município, a BR-469, que dá acesso às Cataratas do Iguaçu.

Segundo informações oficiais de Itaipu, a gestão de Silva e Luna investiu em uma política de "austeridade e transparência". "O redirecionamento de recursos, antes aplicados sem aderência à própria missão da usina, possibilitou investimentos de R$ 2,5 bilhões em iniciativas que vão mudar o perfil socioeconômico do Oeste paranaense e de outras regiões, com resultados imediatos na geração de empregos, num momento em que a economia ainda está sob os efeitos provocados pela pandemia da covid-19", diz uma nota da hidrelétrica.

Desde que assumiu o cargo, Silva e Luna afirmou também que focaria em evitar desperdícios e gastos desnecessários. "Uma de suas primeiras medidas foi trazer todo o comando da usina para Foz do Iguaçu, sede brasileira de Itaipu, dando o exemplo pessoal, ao se mudar para a cidade", diz a assessoria.

Depois, o general extinguiu os escritórios de Curitiba (PR) e Brasília (DF).

Apoio de Bolsonaro

Silva e Luna assumiu a Itaipu em 26 de fevereiro de 2019, cinco dias depois de ser nomeado para o cargo. O apoio do presidente Bolsonaro a sua gestão é expressado pelas diversas vezes que o presidente foi até o Paraná para visitar a usina.

No próximo dia 25, há a previsão de que Bolsonaro lance o projeto de revitalização da linha de Furnas, que leva energia de Itaipu para o Sudeste e Centro-Oeste do País.

PUBLICIDADE