PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Militares não farão desfile de 7 de setembro, mas estudam outras atividades

Bolsonaro faz discurso para militares durante Operação Formosa - Reprodução/Facebok
Bolsonaro faz discurso para militares durante Operação Formosa Imagem: Reprodução/Facebok
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

17/08/2021 11h44Atualizada em 17/08/2021 14h11

Enquanto o presidente Jair Bolsonaro tenta inflar os protestos no dia 7 de setembro, Exército, Marinha e Aeronáutica ainda discutem como será a comemoração do Dia da Independência.

Em ofício enviado pelo Ministério da Defesa, no último dia 2 de agosto, as Forças foram orientadas a não realizar o tradicional desfile militar por conta da pandemia. O desfile também foi cancelado no ano passado.

O ofício enviado às três Forças foi assinado pelo Chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, general Laerte de Souza Santos.
Apesar da orientação, alguns auxiliares do presidente Bolsonaro, incluindo o ministro da Defesa, general Braga Netto, defendem que seja realizada uma cerimônia menor, com o hasteamento da bandeira, no Palácio da Alvorada.

Exército, Marinha e Aeronáutica, no entanto, ainda não receberam nenhuma informação oficial sobre a atividade reduzida, mas fontes ouvidas pela coluna confirmam que o tema está sendo discutido e que a solenidade reduzida deve acontecer.

De acordo com fontes militares, a decisão do formato final da atividade deve ser tomada nesta semana, após reuniões que estão sendo realizadas com o Ministério da Defesa. De qualquer forma, afirmam, seria muito difícil ter tempo hábil para a realização do desfile no formato tradicional.

Nesta terça-feira, o presidente Bolsonaro voltou a dizer que estará nas ruas no dia 7 de setembro.

"Sou leal ao povo brasileiro, que vai estar na rua dia 7 de setembro. Tenho evento em Brasília. Não falei se vou participar ou não no evento de Brasília ou de São Paulo, sou presidente e posso participar. O povo é que tem que nos dar o norte do que devemos fazer", completou.

Entre os militares do Alto Comando há um desconforto crescente com as atitudes com viés golpista de Bolsonaro e, nos bastidores, admitem que o presidente tem tentado se apropriar da imagem das Forças para tentar inflar protestos a seu favor.

À coluna, um general do Alto Comando afirmou que não é papel das Forças Armadas ter envolvimento político e nem defender as causas de Bolsonaro. "Servimos aos presidentes do passado. Como servirmos ao atual e como serviremos aos que estão por vir. Outros presidentes virão", disse.

PUBLICIDADE