PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Bolsonaro quis evitar conflito e mostrar lado paz e amor, dizem auxiliares

15.set.2021 - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante evento no Palácio do Planalto, em Brasília - Adriano Machado/Reuters
15.set.2021 - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante evento no Palácio do Planalto, em Brasília Imagem: Adriano Machado/Reuters
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

06/10/2021 16h06

O presidente Jair Bolsonaro mudou de postura em relação ao seu depoimento ao STF (Supremo Tribunal Federal) no inquérito que apura suposta interferência na PF (Polícia Federal) como um gesto para demonstrar que quer evitar novos conflitos. Nesta quarta-feira (6), tentando se antecipar a uma decisão sobre o tema no STF, Bolsonaro informou que deseja prestar o depoimento de forma presencial.

Segundo auxiliares do presidente ouvidos pela coluna, a estratégia é reforçar o momento de pacificação com a Suprema Corte. O presidente, de acordo com auxiliares, "não tem nada a temer" e quer criar uma face de "paz e amor".

Um ministro disse que o presidente se colocar à disposição para o depoimento presencial reforça a narrativa de que ele não quer mais conflito com a Suprema Corte.

Anteriormente, a AGU tinha defendido que Bolsonaro realizasse o depoimento por escrito.

Na manifestação desta quarta-feira (6), o advogado-geral da União, Bruno Bianco, pediu apenas que Bolsonaro possa escolher local e data para prestar os esclarecimentos à PF.

Segundo auxiliares do presidente, porém, ele ainda não sinalizou quando gostaria de depor, o que pode arrastar ainda mais o inquérito.

PUBLICIDADE