PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Para governo, pecuária não desmata e decisão de europeus é protecionista

Gado em área desmatada da Amazônia perto de Porto Velho, em Rondônia - Ueslei Marcelino/Reuters
Gado em área desmatada da Amazônia perto de Porto Velho, em Rondônia Imagem: Ueslei Marcelino/Reuters
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

16/12/2021 17h33

A notícia de que seis redes de supermercados europeias devem deixar de vender partes de derivados de carne bovina brasileira por suposta relação com o desmatamento foi vista por integrantes do governo como uma medida de protecionismo econômico.

A avaliação feita por membros do governo é de que a Europa tem aos poucos ampliado suas restrições com um aparente viés ambiental, mas que há algumas incoerências nessas decisões.

Citam, por exemplo, o anúncio feito no último dia 17 de novembro pelo poder Executivo da UE (União Europeia) de uma proposta para impedir a importação de matérias-primas provenientes de áreas de desmatamento. A lista de produtos sujeitos a controles por parte da autoridade europeia inclui madeira, soja, carne bovina, café, cacau e óleo de palma, além de derivados, como chocolates, móveis e itens de couro.

"Café? Cacau? Cacau vem de extrativismo florestal. Parece mais protecionismo", disse um integrante do governo.

Além disso, o argumento usado por pessoas ligadas ao governo é de que não seria rentável desmatar para criar gado. Que o investimento necessário para desmatar no meio da floresta, sem infraestrutura, é muito alto e seria compensado justamente com madeira.

A decisão anunciada pelas redes de supermercados europeus se baseia em uma investigação da Repórter Brasil, realizada em parceria com a organização Mighty Earth, que aponta relações entre a carne vendida por grandes varejistas nos Estados Unidos, Reino Unido e União Europeia com o desmatamento de florestas nativas no Brasil.

A reportagem mostra como através dos chamados "fornecedores indiretos", mesmo as carnes vendidas por abatedouros distantes das principais fronteiras agrícolas podem estar conectadas a crimes socioambientais não só na Amazônia, mas também no Pantanal e no Cerrado brasileiros.

Apesar disso, membros do governo repetem o argumento da JBS (empresa citada na reportagem) e dizem que o levantamento da Repórter Brasil mencionou somente cinco dos 77 mil de seus fornecedores diretos e que estes fornecedores se adequavam às suas políticas na ocasião da compra.

"Parece protecionismo mesmo", diz a fonte.

Procurado pela coluna para comentar o tema, o Ministério da Agricultura ainda não se manifestou.

PUBLICIDADE