PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Lula anunciará pré-candidatura dia 30; PT deve optar por ato no Anhembi

Lula participa de evento de filiação de Roberto Requião - Reprodução/Twitter/LulaOficial
Lula participa de evento de filiação de Roberto Requião Imagem: Reprodução/Twitter/LulaOficial
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

e Leonardo Martins, do UOL em Brasília e em São Paulo

08/04/2022 10h32

Uma reunião na noite de quinta-feira (7) definiu o lançamento da pré-candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à Presidência. O evento acontecerá no dia 30 de abril, um sábado, em São Paulo.

Apesar do desejo do ex-presidente de fazer um ato em local aberto, o PT tem avaliado locais fechados para realizar o lançamento. Segundo integrantes do partido, é preciso uma boa infraestrutura e segurança para o evento. No momento, petistas apontam que a tendência é que a oficialização da pré-campanha aconteça no centro de convenções do Anhembi, na zona Norte da capital paulista. .

A data e o local da oficialização de Lula como pré-candidato estão sendo bastante estudadas por integrantes do partido, inclusive com algumas divergências. Alguns auxiliares estavam defendendo que Lula aproveitasse o Dia Internacional do Trabalho, 1º de maio, para realizar um evento em conjunto com as centrais sindicais. A ideia, no entanto, foi preterida.

Além disso, houve também a defesa de que a pré-candidatura fosse oficializada no início neste mês, mas costuras de alianças estaduais e indecisões sobre o formato do evento acabaram adiando o evento.

O receio de uma acusação de campanha eleitoral antecipada, correndo risco de enfrentar um processo no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), também tem sido uma das preocupações do partido.

Outro fator relevante - e que fez o dia 1º de maio perder força na legenda - é a segurança pessoal do ex-presidente. Há receio entre os petistas de algum tipo de violência ou atentado contra Lula.

A reunião que definiu o dia 30 de abril foi organizada pelo GTE (Grupo de Trabalho Eleitoral), grupo recém-lançado pelo partido para organizar a campanha, e por membros da executiva nacional do PT.

Aliados de Lula ouvidos pelo UOL afirmam que a expectativa é que o ato reúna caciques e integrantes de outros partidos, como PSB, PCdoB, PV e PSOL. As legendas serão aliadas de Lula na corrida presidencial, que tem como principal antagonista o presidente Jair Bolsonaro (PL).

Bolsonaro lançou sua pré-campanha pela reeleição no último dia 27, em Brasília, e demonstrou que sua estratégia contra o petista será martelar na tecla de que a eleição é uma disputa "entre o bem e o mal".

A expectativa, nos bastidores do PT, é que Lula entre na campanha de forma mais ativa, com eventos abertos e públicos, a partir do anúncio da pré-candidatura. Há críticas internas que o presidente precisa parar de "falar para convertidos" e buscar conquistar votos em locais mais adversos ao PT.

Apesar da pressão, que tem aumentado com uma reação de Bolsonaro nas pesquisas, Lula tem demonstrado a aliados estar "tranquilo" e pede cautela nas decisões da campanha. O ex-presidente não autorizou ainda, por exemplo, que nenhum integrante do partido seja o porta-voz oficial da campanha.

Nos últimos dias, o ex-presidente tem dado declarações espontâneas que causaram polêmica, como a pauta do aborto, ainda tão contaminada por preconceitos e tabus.

Auxiliares de Lula afirmam, porém, que a personalidade do petista é de um homem espontâneo e que sua retórica política é uma de suas armas. Apesar disso, querem definir estratégias de reação para as declarações do presidente, principalmente para enfrentar as chamadas milícias digitais de Bolsonaro.

Lula participa nesta sexta-feira (8) de um evento aberto do PSB onde pretende sedimentar a parceria com o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSB) para ser vice em sua chapa à Presidência. O ex-tucano é esperado por petistas para o evento do dia 30. A partir dali, a ideia é que a chapa Lula-Alckmin comece, de fato, a andar pelo país.