Só para assinantesAssine UOL
Opinião

Ibovespa: varejo, reforma tributária e fala de Powell são destaques do dia

Esta é a versão online da newsletter Por Dentro da Bolsa enviada hoje (08). Quer receber antes o boletim e diretamente no seu email? Clique aqui. Os assinantes UOL ainda podem receber dez newsletters exclusivas toda semana.

********

No Brasil, as vendas no varejo cresceram 0,6% no mês de setembro, conforme os dados divulgados nesta quarta-feira (8) pelo IBGE. No mês anterior, a variação havia sido de -0,1%. O setor acumula alta de 1,8% no ano e de 1,7% em 12 meses. Nesse cenário, o varejo opera 4,9% acima do patamar pré-pandemia, registrado em fevereiro de 2020, e 1,5% abaixo do maior nível da série histórica da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), atingido em outubro do mesmo ano.

No campo político, o Senado Federal aprovou um pedido que acelera o andamento da reforma tributária no plenário. O texto foi aprovado na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) por 20 votos a 6 e agora segue para análise no plenário da casa. Por se tratar de uma PEC (proposta de emenda à Constituição), a reforma terá que ser votada em dois turnos no Senado, com o apoio de ao menos 49 senadores. Se aprovado, o texto voltará para a Câmara dos Deputados para que os deputados avaliem os trechos modificados pelos senadores. Além disso, o mercado também acompanha o humor do mercado externo, de olho nos juros americanos e os balanços das empresas do terceiro trimestre.

Nos EUA, os futuros das bolsas americanas operam em baixa. Há preocupações quanto aos juros. Ontem, autoridades do FED como Neel Kashkari, chefe do distrito de Minneapolis, e a diretora Michelle Bowman sugeriram que mais aumentos poderão ser necessários para combater a inflação americana. Ainda assim, a própria instituição deixou mais uma vez suas principais taxas inalteradas na semana passada. Vários outros dirigentes do FED vão se pronunciar nesta quarta-feira, incluindo o presidente Jerome Powell. Investidores esperam que Powell possa confirmar que o juro americano não subirá mais e começará a cair em maio. O cenário otimista vem se destacando desde a divulgação da folha de pagamento (payroll) mais fraca.

Na Europa, as bolsas operam em baixa. Investidores digerem os resultados mistos dos balanços corporativos e dados econômicos da região. Na Alemanha, saiu a taxa anual de inflação ao consumidor (CPI) que desacelerou para 3,8% em outubro, atingindo o menor nível desde agosto de 2021. Ainda hoje, serão divulgados os dados sobre as vendas no varejo da zona do euro.

Na Ásia, as bolsas fecham sem direção única. O mercado acompanha a perspectiva dos juros nos EUA e espera a divulgação de novos dados de inflação da China. O índice japonês Nikkei caiu 0,33% em Tóquio hoje, enquanto o Hang Seng recuperou 0,58% em Hong Kong, e o Kospi cedeu 0,91% em Seul. Na China continental, o Xangai Composto teve baixa de 0,16%, mas o Shenzhen Composto garantiu modesto ganho de 0,14%. No fim da noite de hoje, serão divulgados números chineses sobre inflação ao consumidor (CPI) e produtor (PPI) referentes a outubro.

Os preços do petróleo operam em baixa. Dados da indústria mostraram um aumento acentuado na oferta da commodity nos EUA, enquanto os dados econômicos mistos da China aumentaram as preocupações sobre a procura global de petróleo. Já as cotações de minério de ferro na China fechavam em alta, impulsionado por um discurso do governador do banco central chinês sobre o apoio ao mercado imobiliário, o maior setor consumidor de aço do país.

A Totvs registrou crescimento do seu lucro caixa no terceiro trimestre de 2023. O valor é 29,9% maior em comparação com o mesmo período do ano anterior. No que diz respeito à receita líquida, a companhia alcançou R$ 1,202 bilhão entre julho e setembro, representando uma elevação de 18,9% em relação ao mesmo período de 2022. Segundo a empresa, esse bom desempenho reflete os avanços: (i) na Receita Recorrente de Gestão, que cresceu 18% ano contra ano, impulsionada pelo crescimento da Receita SaaS Gestão; (ii) do crescimento de 38% na Receita de Business Performance; e (iii) do aumento de 35% da Receita de Techfin Líquida de Funding". A companhia também anunciou o programa de recompra de suas ações até o limite de 18 milhões de ativos ordinários. O programa de recompra será encerrado até 8 de novembro de 2024.

Continua após a publicidade

A Iguatemi registrou lucro líquido ajustado de R$ 101,9 milhões no terceiro trimestre deste ano. A cifra 80,1% superior à reportada um ano antes. Segundo a empresa, o bom desempenho foi puxado pelo maior fluxo de clientes nos empreendimentos, com crescimento de 4,5%, pela retomada de filmes "blockbusters", eventos e melhora na ocupação. Além disso, a companhia destacou que apesar do cenário macroeconômico ter permanecido desafiador, o desempenho acumulado nos nove primeiros meses do ano está em linha com todos os indicadores do guidance para o final de 2023. Entre os guidances estão uma evolução de 13% a 18% da receita líquida de shoppings (de janeiro a setembro está em 18,3%); e de varejo de 3% a 6% (tendo acumulado 5%). Em termos de margens, a Ebitda de shoppings é de 78% a 81%, estando nos nove primeiros meses do ano em 82,1%, enquanto a total é de 69% a 72%, já tingidos 73,2%. Por fim, de investimentos, eles estão projetados em R$ 140 milhões a R$ 180 milhões, realizados de janeiro a setembro a cifra de R$ 139,5 milhões.

A Eletrobras registrou um lucro líquido de R$ 1,477 bilhão em seu balanço referente ao terceiro trimestre de 2023. A companhia reverteu o prejuízo líquido de R$ 100 mil de um ano antes. Segundo a Eletrobras, a melhora reflete as maiores receitas de transmissão e a redução das despesas operacionais, em especial as provisões operacionais. A empresa salientou que ao longo do terceiro trimestre reduziu o estoque de empréstimo compulsório para R$ 19,056 milhões, 26,1% a menos quando comparado ao estoque do terceiro trimestre do ano passado.

************

Veja o fechamento de dólar, euro e Bolsa na terça-feira (7):

Dólar: -0,356%, a R$ 4,87
Euro: -0,744%, a R$ 5,201
B3 (Ibovespa): 0,71%, aos 119.268,06 pontos

NA NEWSLETTER UOL INVESTIMENTOS

Continua após a publicidade

Lua, filha da influencer e ex-BBB Viih Tube, tem apenas seis meses, mas já acumulou mais de R$ 1 milhão em uma conta em seu nome, segundo a mãe. Chegar a esse patamar tão cedo não é a realidade da maioria, mas especialistas afirmam que há muitas vantagens em se investir em nome dos filhos. Na newsletter UOL Investimentos você fica sabendo em quais produtos é possível fazer isso. Para se cadastrar e receber a newsletter semanal, clique aqui.

Queremos ouvir você

Tem alguma dúvida ou sugestão sobre investimentos? Mande sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

As opiniões emitidas neste texto são de responsabilidade exclusiva da equipe de Research do PagBank e elaboradas por analistas certificados. O PagBank PagSeguro e a Redação do UOL não têm nenhuma responsabilidade por tais opiniões. A única intenção é fornecer informações sobre o mercado e produtos financeiros, baseadas em dados de conhecimento público, conforme fontes devidamente indicadas, de modo que não representam nenhum compromisso e/ou recomendação de negócios por parte do UOL. As informações fornecidas por terceiros e/ou profissionais convidados não expressam a opinião do UOL, nem de quaisquer empresas de seu grupo, não se responsabilizando o UOL pela sua veracidade ou exatidão. Os produtos de investimentos mencionados neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão preencher o questionário de suitability para a identificação do seu perfil de investidor e da compatibilidade do produto de investimento escolhido. As informações aqui veiculadas não devem ser consideradas como a única fonte para o processo decisório do investidor, sendo recomendável que este busque orientação independente e leia atentamente os materiais técnicos relativos a cada produto. As projeções e preços apresentados estão sujeitos a variações e podem impactar os portfolios de investimento, causando perdas aos investidores. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de resultados futuros. Este conteúdo não deve ser reproduzido no todo ou em parte, redistribuído ou transmitido para qualquer outra pessoa sem o consentimento prévio do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes