Topo

Empregos e carreiras


País fecha 157.905 vagas com carteira assinada; é o pior julho desde 1992

Do UOL, em São Paulo

21/08/2015 15h02Atualizada em 21/08/2015 16h21

O Brasil cortou 157.905 vagas de trabalho com carteira assinada em julho, segundo dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgados pelo Ministério do Trabalho nesta sexta-feira (21). É o quarto mês seguido com fechamento de vagas, e o pior resultado para julho desde 1992.

Com o saldo negativo de julho, o número de vagas de emprego com carteira assinada caiu 0,39%, na comparação com junho.

Considerando informações passadas fora do prazo pelos empregadores (a chamada série ajustada), o Brasil perdeu 494.386 empregos com carteira assinada de janeiro a julho deste ano.

Em 12 meses até julho, foram 778.731 vagas a menos.

Em junho, o país havia fechado 111.199 vagas de trabalho com carteira assinada.

Resultado foi pior que o previsto

O resultado veio pior do que o previsto por analistas. Estimativa do jornal "Valor Econômico" feita com 11 economistas apontava o fechamento de 115,8 mil postos de trabalho com carteira assinada.

Pesquisa da agência de notícias Reuters mostrou que a mediana das expectativas de analistas era de fechamento de 112 mil empregos. 

Só agropecuária criou novos empregos

Dos oito setores da economia registrados pelo Caged, apenas a agropecuária criou novos empregos em julho: foram 24.465 (1,51%). Segundo o ministério, esse resultado tem a ver com o período do ano.

Todos os outros setores fecharam vagas:

  • Indústria da transformação: -64.312 vagas 
  • Construção civil: -21.996 vagas
  • Comércio: -34.545 vagas
  • Extrativa mineral: -795 vagas 
  • Serviços: -58.010 vagas 
  • Administração pública: -2.001 vagas
  • Serviços industriais de utilidade pública: -711 vagas

Apenas três Estados abriram vagas; Sudeste perdeu 80 mil postos

Entre os Estados, apenas Pará (2.634), Maranhão (2.121) e Mato Grosso (770) registraram criação de vagas com carteira assinada em julho.

Todas as regiões do país registraram fechamento de vagas. O Sul fechou 44.943 vagas; o Nordeste, 25.164; o Sudeste, 79.944; o Centro-Oeste, 5.830; e o Norte, 2.024. 

Governo está tomando medidas, diz ministro

Nesta sexta-feira, o ministro do Trabalho, Manoel Dias, disse que o governo está tomando as medidas necessárias para reativar a economia e voltar a criar empregos.

"O governo está retomando os investimentos. Temos agora leilões que chegam a R$ 180 bilhões”, afirmou.

Ele disse que têm sido investidos bilhões na construção de moradias populares e que isso deve ajudar o setor de construção civil. "É um setor que desempregou muita gente. A construção civil é historicamente complicada no primeiro semestre", afirmou. "A partir de julho é que começam as contratações."

Dias não fez previsões para o ano e disse que a economia vem sendo afetada pela crise política.

Desemprego subiu a 7,5% em julho

Ontem, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou que o desemprego subiu para 7,5% em julho, de acordo com a PME Pesquisa Mensal de Emprego). Foi a maior taxa para o mês desde 2009, quando tinha sido de 8%. 

Considerando todos os meses, foi a maior taxa em mais de cinco anos. Em março de 2010, o desemprego tinha sido de 7,6% e, em maio daquele ano, de 7,5%. Desde junho de 2010, a taxa não chegava ao nível de 7%.

Empresas estão aderindo a plano de proteção ao emprego

Com o objetivo de evitar cortes de vagas, o governo lançou o Programa de Proteção ao Emprego, que permite empresas de setores em crise cortarem em até 30% a jornada de trabalho e o salário dos trabalhadores. Metade da perda salarial será compensada pelo governo.

Segundo o ministro do Trabalho, duas empresas do setor de autopeças aderiram ao plano e devem assinar os contratos na semana que vem. Ele disse que outras 20 solicitações estão em andamento.

(Com Valor e Reuters)

Taxa de desemprego em julho é a maior do mês nos últimos seis anos

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Empregos e carreiras