IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

Corte de IPI para eletrodomésticos termina dia 31; indústria e lojistas pedem prorrogação

Do UOL, em São Paulo

23/03/2012 06h00

A partir de 1º de abril, os eletrodomésticos da chamada linha branca (geladeiras, máquinas de lavar roupa, tanquinhos e fogões) poderão ficar mais caros. Isso porque chega ao fim, em 31 de março, a medida que prevê redução no IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) cobrado sobre esses produtos.

O governo anunciou esse corte do imposto no começo de dezembro de 2011. O objetivo era estimular o consumo. 

Em alguns casos, o imposto foi totalmente cortado. O IPI incidente sobre o fogão foi de 4% para zero. Da mesma forma, os 10% que eram cobrados sobre os tanquinhos também caíram para zero. Sobre a geladeira, o corte foi de 15% para 5%; sobre as máquinas de lavar, de 20% para 10%.

Um levantamento feito pela empresa de pesquisa GFK mostra que, no primeiro mês em que a medida vigorou, os preços das lavadoras caíram 4,89%. Em janeiro, no entanto, os preços subiram 2,03%, em média. Procurado, o IDV (Instituto para Desenvolvimento do Varejo), que reúne 35 grandes lojistas do país, informou que não tinha dados sobre a evolução dos preços dos produtos no período.

Indústria e varejo pedem prorrogação da medida

Esta semana, o IDV divulgou dados em que mostra que as vendas de produtos da linha branca cresceram cerca de 22,63% entre dezembro de 2011 e fevereiro de 2011, na comparação com um ano atrás.

O instituto informou que pediu ao governo a prorrogação da medida, além de estender o IPI reduzido para outros grupos de produtos, como móveis, material de construção e artigos eletrônicos.

A Eletros (Associação Nacional dos Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos) também informou, em nota, que "está se empenhando" para que a redução seja prorrogada.

Com a aproximação do fim da medida, muitos varejistas já estão fazendo campanhas  para chamar os consumidores às lojas e aproveitar os preços mais baixos.

Presidente Dilma deve anunciar medidas de incentivo à economia

Procurado, o Ministério da Fazenda não se manifestou sobre o assunto até a noite desta quinta-feira (22).

Nesta quinta, a presidente Dilma Rousseff se reuniu com ministros e empresários da indústria e do varejo em Brasília. Durante o encontro, ela teria dito que anunciaria medidas de incentivo à economia quando voltar de viagem à Índia. As possíveis medidas, no entanto, não foram detalhadas.

Mais Economia