PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Bolsonaro quebra silêncio, defende Pazuello e acredita falar pelo Exército

Presidente Jair Bolsonaro e o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello - Adriano Machado/Reuters
Presidente Jair Bolsonaro e o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello Imagem: Adriano Machado/Reuters
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Colunista do UOL

15/07/2020 13h50

Sem tratar diretamente da crise aberta entre militares e o ministro do STF, Gilmar Mendes, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) quebrou o silêncio nesta quarta-feira ao defender a biografia do general Eduardo Pazuello, que está interinamente há dois meses no comando do Ministério da Saúde, em meio a pandemia do coronavírus, que já matou mais de 73 mil brasileiros.

A manifestação do presidente acontece ao mesmo tempo em que não para de crescer a pressão para que Pazuello deixe o Exército e peça para ir à reserva. Ou então, que seja substituído caso queira continuar a ostentar a farda.

"Pazuello é um predestinado, nos momentos difíceis sempre está no lugar certo para melhor servir a sua Pátria", escreveu o presidente. "O nosso Exército se orgulha desse nobre soldado", completou Bolsonaro.

O Exército pode se orgulhar de Pazuello, mas não quer ele na ativa e no governo.

"Enquanto era algo transitório, temporário, para que ele pudesse cumprir uma missão até dava para se manter. Agora, no momento que a sua permanência se prolonga, o lógico é que ele peça a reserva", disse um general da ativa, com trânsito no Alto Comando.

No Palácio do Planalto também é consenso de que a situação amplia o desgaste para as Forças Armadas. Ministro palacianos — todos de origem militar — defendem que é preciso separar cargos políticos das Forças Armadas. A pressão vinda da caserna fez inclusive com que Luiz Eduardo Ramos (Secretaria-Geral) antecipasse sua aposentadoria da farda no início do mês.

Na mensagem postada nesta quarta-feira, o presidente lembrou que Pazuello é formado na Academia Militar das Agulhas Negras, na arma de Intendência, "possuindo mais de 40 anos de experiência em logística e administração".

O presidente diz ainda que "quis o destino" que o Pazuello assumisse a interinidade da Saúde em maio último. "Com 5.500 servidores no Ministério o Gen levou consigo apenas 15 militares para a pasta. Grupo esse que já o acompanhava desde antes das Olimpíadas do Rio".

Acontece que não é o destino que decide o comando da pasta da Saúde. É o presidente.

Ontem, em entrevista à Globo News, o vice-presidente Mourão externou um sentimento que é comum entre militares - principalmente aos da ativa que não fazem parte do governo - o presidente fez uma breve carreira militar. Encerrou sua contribuição às Forças Armadas como Capitão e depois foi por mais de duas décadas político.

"Ele é mais político do que militar e os militares que quiserem continuar a fazer parte do governo precisam tomar essa decisão", disse um general, exaltando o mantra repetido diariamente nos quartéis: Exército é uma instituição de estado e não de um governo.

Diante disso, apesar do apoio explícito do presidente, é improvável que a situação de Pazuello não tenha algum tipo de desfecho. Seja deixar a farda e assumir o comando da Saúde de fato. Ou avisar ao presidente que cumpriu a missão e passar o bastão para um sucessor.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.