PUBLICIDADE
IPCA
+0,25 Jan.2021
Topo

Carla Araújo

Falta de insumos atinge 50% das indústrias da construção, aponta CNI

Percentual de empresas que enfrentam o problema subiu de 39,2% para 50,8%  - Getty Images
Percentual de empresas que enfrentam o problema subiu de 39,2% para 50,8% Imagem: Getty Images
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

25/01/2021 14h00

Em meio à tentativa de retomada das atividades aos níveis pré-pandemia, o alto custo e a falta de insumos para a indústria da construção atingiu metade do setor no quarto trimestre do ano passado e ficou em primeiro lugar no ranking de principais problemas enfrentados pela indústria da construção.

De acordo com a Sondagem Indústria da Construção, elaborada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) e divulgada nesta segunda-feira (25), o percentual de empresas da construção que enfrentam o problema com matérias-primas subiu de 39,2% para 50,8% entre o terceiro e o quarto trimestre de 2020, um avanço de 11,6 pontos percentuais. A pesquisa não descrimina os produtos que mais impactaram nessa situação.

Segundo o levantamento, no entanto, as expectativas dos empresários da construção melhoraram em janeiro de 2021. O índice de expectativa de compras de insumos e matérias-primas subiu 2,5 pontos e ficou em 57 pontos em janeiro de 2021. Pela metodologia da pesquisa índices de expectativa acima de 50 pontos indicam perspectivas positivas para os próximos seis meses.

"A construção espera maior crescimento para compra de insumos, atividade e emprego nos próximos seis meses. A confiança dos empresários da construção, por outro lado, caiu, refletindo maior pessimismo com relação ao estado atual da economia brasileira", afirmou o gerente de Análise Econômica, Marcelo Azevedo, em nota.

No caso da confiança dos empresários o índice recuou 3,2 pontos em janeiro de 2021 para 56,9 pontos. "Mas como o índice permanece acima dos 50 pontos, o ICEI-Construção ainda indica confiança dos empresários", diz o documento.

Outros problemas

A sondagem aponta ainda que a "elevada carga tributária" da indústria aparece em segundo lugar na lista de problemas para o setor, com 26,8% de assinalações.

"A demanda interna insuficiente caiu da terceira para a quarta posição entre os principais problemas e a burocracia excessiva tomou a terceira colocação, enfrentada por 24,1% das empresas".

Lucro e crédito

Mesmo com todas as dificuldades apontadas pelos empresários, a pesquisa mostrou que a situação financeira da indústria da construção seguiu em evolução no quarto trimestre de 2020 e a satisfação com a margem de lucro operacional também avançou.

O indicador de satisfação com a situação financeira aumentou 3,9 pontos no quarto trimestre, alcançando 47,2 pontos. Já o índice de satisfação com a margem de lucro operacional teve um avanço de 2,5 pontos no trimestre, atingindo 47,2 pontos. Apesar disso, ambos seguem abaixo dos 50 pontos.

Na contramão da melhora da situação financeira, o índice de acesso ao crédito apresentou piora, com um recuo de um ponto, para 36,9 pontos. "Ele segue, porém, próximo aos níveis do quarto trimestre de 2019 e acima da sua média histórica. O índice segue, também, muito abaixo da linha divisória de 50 pontos, o que indica dificuldade de acesso ao crédito", afirmou a CNI.