PUBLICIDADE
IPCA
+0,93 Mar.2021
Topo

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Bolsonaro foi à casa de Sarney para pedir apoio do MDB em embate com Renan

Montagem Bolsonaro, Renan e Sarney - Arte UOL
Montagem Bolsonaro, Renan e Sarney Imagem: Arte UOL
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

30/04/2021 16h20Atualizada em 30/04/2021 18h54

Em um compromisso fora da agenda, o presidente Jair Bolsonaro foi até a residência do ex-presidente José Sarney em Brasília na última terça-feira (27), mesmo dia em que a CPI da pandemia estava sendo instalada no Senado.

O encontro durou cerca de um hora e apenas Bolsonaro e Sarney participaram.

A reunião teve como um dos articuladores o senador Fernando Bezerra (MDB-PE), que aconselhou o presidente a buscar uma aproximação maior com o MDB.

"O presidente Sarney é uma figura muito querida pelas lideranças do MDB. É uma referência no nosso partido e poderá ajudar muito a melhorar a interlocução do governo com os nossos líderes no Congresso", disse à coluna.

Segundo Bezerra, tanto Bolsonaro como o ex-presidente Sarney saíram da conversa com uma boa impressão. "O presidente Bolsonaro me falou que a conversa foi muito franca e amistosa e o presidente Sarney também achou muito positiva", disse.

"Acalmar Renan"

O principal problema de Bolsonaro com o MDB é justamente a presença do senador Renan Calheiros (MDB-AL) como relator da CPI.

Questionado se acredita que o encontro entre Bolsonaro e Sarney pode ajudar a uma abertura de diálogo com Renan, o líder do governo disse que "as melhores armas do governo na CPI serão o diálogo com todos os membros incluindo a oposição e a qualidade das informações e dos depoimentos que serão prestados".

Em seu discurso inicial na CPI, o ex-presidente do Senado usou um tom duro contra possíveis omissões do governo no combate a pandemia, disse que "os crimes contra a humanidade não prescrevem jamais" e criticou duramente o fato de o Ministério da Saúde ter no comando durante boa parte da pandemia o general Eduardo Pazuello.

"A diretriz é clara: militar nos quartéis e médicos na saúde. Quando se inverte, a morte é certa, e foi isso que lamentavelmente parece ter acontecido. Temos que explicar como, por que isso ocorreu", disse Renan, na ocasião.

Após o apelo de Bolsonaro a Sarney, que mantém uma interlocução direta com Renan, o senador - que também ouviu apelo de outros aliados do governo - afirmou a correligionários que irá calibrar melhor suas falas.