PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Governo federal pede à ANS que planos de saúde paguem ao SUS por vacinas

Governo incluiu AstraZeneca e Pfizer em vacinas integrantes do SUS -  Matthew Horwood Colaborador Getty Images
Governo incluiu AstraZeneca e Pfizer em vacinas integrantes do SUS Imagem: Matthew Horwood Colaborador Getty Images
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

02/07/2021 19h40

Em meio às investigações de cobrança de propinas e irregularidades na aquisição de vacinas, o Ministério da Saúde pediu à ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) que inclua as vacinas da AstraZeneca e da Pfizer nos procedimentos que os planos de saúde têm a obrigação de ressarcir ao SUS (Sistema Único de Saúde).

Em ofício enviado pela pasta à ANS, no último dia 30, o ministério afirma que a agência já "realiza a incorporação de novas tecnologias em saúde, bem como a definição de regras para sua utilização na saúde suplementar por meio da atualização do Rol de Procedimentos e Eventos" e "solicita a avaliação, por parte dessa ANS, de inclusão das vacinas ChAdOx1 nCoV-19 (Fiocruz/AstraZeneca) e BNT162b2 (Pfizer) em seu Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde".

No documento, o Ministério da Saúde diz que "vem realizando ações necessárias ao emprego de medidas de prevenção, controle e contenção de riscos, danos e agravos à saúde pública, decorrentes da Covid-19" e afirma que o ministro Marcelo Queiroga encaminhou à Conitec (Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde) um pedido para que fosse feito um processo administrativo que justificasse a medida.

Segundo a pasta, a Conitec recomendou a incorporação das tecnologias demonstradas no caso das duas vacinas e, com isso, a Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos do ministério decidiu pela inclusão das vacinas da AstraZeneca e da Pfizer no âmbito do Sistema Único de Saúde.

O governo já publicou inclusive uma portaria que tornou pública a decisão de incorporar as duas vacinas ao SUS.

Pela lei, caso um cidadão que possui plano de saúde seja atendido pelo SUS, os planos têm que arcar com o custo do atendimento, ou seja, ressarcir aos cofres públicos.

Segundo a ANS, por conta desta lei em vigor, atualmente os planos privados devem cerca de R$ 2,9 bilhões ao SUS.

PUBLICIDADE