PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Governo gastou R$ 5 milhões em propaganda para a privatização dos Correios

Prédio sede dos Correios - Divulgação
Prédio sede dos Correios Imagem: Divulgação
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

27/08/2021 16h03

Enquanto trabalhadores estão em disputa judicial com os Correios para negociar aumento salarial e melhores condições de trabalho, o governo federal gastou R$ 5 milhões em campanha publicitária para defender a privatização da empresa.

Os recursos foram gastos na produção das peças e na respectiva veiculação/divulgação da campanha entre os dias 3 e 10 de agosto. Segundo o governo, mesmo com a matéria ainda em tramitação no Congresso, "não há previsão de continuidade" da campanha.

Os dados foram obtidos pela coluna por meio da Lei de Acesso à Informação, depois de a Secretaria de Comunicação da Presidência não fornecer as informações solicitadas.

O período da campanha coincidiu justamente com a apreciação do projeto de lei na Câmara dos Deputados, que acabou aprovando a matéria no último dia 5.

O texto seguiu para o Senado e se for aprovado sem alterações ainda precisará da sanção do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O governo planeja fazer o leilão da estatal no primeiro semestre de 2022.

Vale a pena privatizar?

Conforme mostrou reportagem do UOL, os Correios são lucrativos e, nos últimos 20 anos, repassaram 73% dos resultados positivos acumulados ao seu único acionista, o governo federal.

Para críticos da privatização, os números reforçam que vender a empresa é um erro, enquanto alguns especialistas afirmam que os rendimentos da estatal não são o principal fator a ser levado em consideração.

Os Correios possuem o monopólio de correspondências no Brasil e concorrem com empresas privadas em outros serviços, como entregas de mercadorias. Estudos contratados pelo BNDES apontam como uma das melhores soluções a venda de 100% da estatal, com manutenção do monopólio postal e a regulação do serviço privado.

Privatização já está em análise no STF

A privatização dos Correios é objeto de uma ação no STF (Supremo Tribunal Federal), movida pela Associação dos Profissionais dos Correios (ADCap) e está sob responsabilidade da ministra Cármen Lucia.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) já se manifestou contra a privatização do serviço postal e dos correios aéreos.

O governo do presidente Jair Bolsonaro trata a privatização dos Correios como uma das suas pautas positivas de sinalização para a manutenção da agenda liberal do ministro da Economia, Paulo Guedes.

PUBLICIDADE