PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Oposição pede que MP apure conduta de Guedes e presidente do BC em offshore

Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

04/10/2021 11h26

Deputados de oposição protocolaram nesta segunda-feira (4) uma representação para que o Ministério Público Federal (MPF) apure "evidentes irregularidades praticadas" pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, e pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, por conta de investimentos no exterior.

A representação, à qual a coluna teve acesso, afirma que o fato de Guedes e Campos Neto manterem offshores abertas no exterior enquanto ocupantes de cargos da administração ública "não condiz com os princípios constitucionais, especialmente quanto à moralidade, motivo pelo qual devem ser objeto de apuração".

Para os deputados, Guedes e Campos Neto possuem "informações privilegiadas, em razão do cargo ou função", que podem facilitar seus investimentos com empresas de offshore, havendo claro conflito de interesses entre as posições pública e privada".

"As decisões tomadas em função do cargo na Economia e no Banco Central podem impactar diretamente indicadores como o câmbio e, inclusive, conforme noticiado, "reformulações feitas na proposta de reforma do Imposto de Renda, negociadas entre Guedes e o relator, retiraram do texto a possibilidade de taxação de recursos no exterior".

Em agosto, o relator da reforma do IR apresentou uma nova versão do projeto excluindo a regra que taxaria anualmente recursos de brasileiros em paraísos fiscais e que prometia cobrir o buraco a ser aberto pelas demais medidas previstas no texto.

A existência desses investimentos foi revelada neste domingo (3) por veículos como a revista Piauí e o jornal El País, que participam do projeto do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos, o ICIJ. Os documentos fazem parte da Pandora Papers, investigação sobre paraísos fiscais promovida pelo consórcio.

Os parlamentares salientam que há uma vedação explícita de que servidores públicos possam manter aplicações financeiras e investimentos, no exterior, que possam ser afetados por políticas governamentais. "E é exatamente o caso das offshores de Paulo Guedes e Roberto Campos Neto, uma vez que ambos ocupam cargos de relevância para a atividade econômica e fazem parte do Conselho Monetário Nacional", afirmam.

A representação é assinada pelo líder da oposição, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ); pelo líder da minoria, deputado Marcelo Freixo (PSB0RJ), e por demais parlamentares de partidos de oposição como PT, PDT, PSol, Rede e PCdoB.

Os deputados afirmam que a representação deve ser processada "tendo em vista o preenchimento de seus pressupostos de admissibilidade". "É imperiosa a atuação do Ministério Público Federal, a fim de ver julgada procedente a representação, ante as evidentes irregularidades praticadas pelo Sr. Ministro da Economia e o Sr. Presidente do Banco Central".

O ministro e o presidente do BC negam irregularidades.

PUBLICIDADE