PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Eletrobras responderá ao TCU e privatização não atrasará, diz ministro

11.ago.2021 - O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, durante discurso - Adriano Machado/Reuters
11.ago.2021 - O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, durante discurso Imagem: Adriano Machado/Reuters
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

04/05/2022 14h54

O Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, minimizou o pedido de informações feito pelo TCU (Tribunal de Contas da União) à Eletrobras e afirmou que ainda acredita que o julgamento da privatização da estatal acontecerá na data prevista.

"Nossa expectativa é que o 2° acórdão do TCU saia no dia 18 de maio. Todas as informações solicitadas estão sendo prestadas", disse Bento à coluna. "Não acredito em atraso", reforçou.

Conforme revelou o jornal Valor Econômico, o ministro do TCU, Vital do Rêgo, enviou na última segunda-feira (02) um ofício pedindo mais informações à companhia. Há um prazo de até cinco dias para a estatal responder e, segundo apurou a coluna, a orientação do governo é as respostas sejam passadas o quanto antes.

Vital do Rêgo já havia interrompido o julgamento da privatização da Eletrobras no último dia 20, com pedido de vista do processo.

Na ocasião, Vital do Rêgo disse que há uma série de inconsistências e erros nos estudos elaborados que servem de base para a privatização da Eletrobras.