PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Lula deve ir a debates, mas estratégia é esperar confirmação de Bolsonaro

Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

14/06/2022 13h05

A participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nos debates presidenciais nas emissoras de TV ainda não está completamente pacificada dentro do PT, mas, segundo apurou a coluna, a tendência é que Lula compareça aos embates com os adversários.

Há quem defenda, porém, que uma confirmação oficial só aconteça após um posicionamento do presidente Jair Bolsonaro (PL). Candidato à reeleição, Bolsonaro tem dito que ainda avalia se participará dos debates no primeiro turno, mas já confirmou que pretende ir em um eventual segundo turno.

Segundo um integrante da campanha do PT, a avaliação é de que Lula costuma ir bem nos debates, mas pelo fato de estar liderando as pesquisas de intenção de voto será alvo preferencial de todos os concorrentes. E uma eventual ausência de Bolsonaro poderia amplificar ainda mais essa situação.

Sem Bolsonaro, nas palavras de um auxiliar, Lula vai acabar "apanhando" de um candidato com cerca de 7% das intenções de voto, em referência a Ciro Gomes (PDT). As informações foram antecipadas no podcast O Radar das Eleições.

Preocupação com memes

Em uma espécie de preparação para os debates, a equipe de Lula também tem alertado o ex-presidente em relação a falas de improviso.

Há preocupação com edições e recortes que possam "virar meme" e viralizar. De acordo com uma fonte, uma fala mal colocada de Lula nos debates pode prejudicar o petista caso seja tirada de contexto.

O entorno do ex-presidente tem feito um esforço para convencê-lo de que essa campanha é digital.

Um petista lembrou que a última eleição que Lula disputou foi 2006, ou seja, há 16 anos, com um cenário ainda analógico, e que "é difícil mudar a cabeça de alguém de 76 anos para o digital".