Só para assinantesAssine UOL
Opinião

Decisões sobre juros no Brasil e no mundo mexem com as Bolsas na semana

Esta é a versão online da newsletter Por Dentro da Bolsa enviada hoje (18). Quer receber antes o boletim e diretamente no seu email? Clique aqui. Os assinantes UOL ainda podem receber dez newsletters exclusivas toda semana.

********

Investidores do Brasil aguardam decisão do Copom sobre os juros, na quarta-feira (20). Grande parte do mercado prevê um corte de 0,25 ponto percentual na Selic, mas as expectativas de inflação acima da meta, o crescimento resiliente da economia e o mercado de trabalho apertado ainda impactam a avaliação do Copom (Comitê de Política Monetária).

Na parte política, temos títulos verdes, Lula na ONU e reforma tributária. O ministro da Economia, Fernando Haddad, lançando hoje (18) os títulos soberanos sustentáveis (ou verdes) na Nyse e o presidente Lula (PT) abrindo amanhã (19) a Assembleia-Geral da ONU (Organização das Nações Unidas). Ainda nesta semana, está marcado o retorno das discussões sobre a reforma tributária no Congresso. O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), também acredita na aprovação da tributação das offshores.

Futuros americanos operam com leve alta, também à espera da decisão sobre juros dos EUA. A maior parte do mercado aposta que o Fed (Federal Reserve, o Banco Central dos Estados Unidos) vai decidir pela manutenção da taxa de juros no patamar atual. Mesmo assim, não está descartado um novo aumento até o final do ano, por conta da alta nos preços do petróleo. Na agenda desta semana, além da decisão sobre juros, temos ainda a leitura preliminar de setembro do PMI/S&P Global composto, que será divulgado na sexta (22).

Bolsas europeias caem, após notícias que afetaram empresas da França. As ações do grupo varejista Casino Guichard-Perrachon têm forte baixa, bem como as do banco Société Générale. No final da semana passada, o regulador do mercado da França revelou que multou a Rallye, holding por trás do Casino, por divulgar informações falsas ou enganosas sobre sua posição financeira. A Société, por sua vez, detalhou hoje um novo plano estratégico até 2026 que desagradou o mercado. Paralelamente, reina o sentimento de cautela antes da decisão sobre juros principalmente nos EUA, mas também na China e no Japão.

Cautela também na Ásia, onde os mercados fecharam majoritariamente em baixa. O índice Hang Seng caiu 1,39% em Hong Kong, enquanto o Kospi subiu 1,02% na Coreia do Sul e o Taiex registrou perdas de 1,32% em Taiwan. No Japão, não houve negócios hoje devido ao Dia do Respeito ao Idoso, um feriado nacional. Na China, o Xangai Composto subiu 0,26%, e o Shenzhen Composto avançou 0,54%. Investidores da região e de outras partes do mundo estão na expectativa pela decisão do Banco Central chinês (PBoC) sobre suas taxas principais, conhecidas como LPRs, e por sinais de quando o Banco do Japão (BoJ) pode deixar para trás sua política ultra-acomodativa.

Preços do petróleo sobem, impulsionados pelo receio de oferta menor. As previsões apontam para um aumento do déficit de oferta no quarto trimestre, após a Arábia Saudita e a Rússia prolongarem os cortes. Também contribui o otimismo de uma recuperação da procura na China, o maior importador mundial de petróleo.

Telefônica Brasil tem autorização prévia para reduzir capital social. A dona da Vivo informou que o conselho diretor da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) aprovou, por unanimidade, o pedido de anuência prévia para que a companhia efetue uma ou mais reduções de seu capital social atual em até R$ 5 bilhões. A Telefônica ainda informou que o inteiro teor da deliberação e seu extrato ainda não foram disponibilizados pela Anatel, de modo que, tão logo tenha conhecimento dos termos e condições, divulgará novo fato relevante.

Continua após a publicidade

Even anuncia distribuição de dividendos. O Conselho de Administração da companhia aprovou a distribuição de dividendos intercalares no montante de R$ 50 milhões, equivalente a R$ 0,25176699 por ação ordinária. A partir de 21 de setembro, as ações passarão a ser negociadas ex-dividendos.

CCR reconhece desequilíbrio econômico-financeiro em contrato da ViaMobilidade. Segundo a empresa, o valor bruto do desequilíbrio corresponde a R$ R$ 29,89 milhões em números de agosto de 2023. O montante deve ser pago à concessionária, que opera linhas de metrô e de trem em São Paulo, e a forma de reajuste ainda será definida pelo governo do estado.

BR Properties publica edital de oferta pública de aquisição de ações. O leilão será realizado no dia 16 de outubro, às 15h, com a oferta de até 17.205 ações ordinárias, ao preço de R$ 114,01 por ação.

************

Veja o fechamento de dólar, euro e Bolsa na sexta-feira (15):

Dólar: -0,03%, a R$ 4,871
Euro: +0,15%, a R$ 5,194
B3 (Ibovespa): -0,53%, aos 118.757,53 pontos

Continua após a publicidade

NA NEWSLETTER UOL INVESTIMENTOS

Os CDBs (Certificados de Depósito Bancários) ganharam mais espaço nos últimos anos, já que a renda fixa passou a pagar muito acima da inflação. Com o corte na Selic para 13,25% ao ano na última reunião do Copom, as taxas de rendimento desses ativos caíram — mas, ainda assim, continua acima da inflação. Na newsletter UOL Investimentos, você fica sabendo quanto poderá resgatar daqui um ano se investir R$ 1.000 hoje. Para se cadastrar e receber a newsletter semanal, clique aqui.

Queremos ouvir você

Tem alguma dúvida ou sugestão sobre investimentos? Mande sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

As opiniões emitidas neste texto são de responsabilidade exclusiva da equipe de Research do PagBank e elaboradas por analistas certificados. O PagBank PagSeguro e a Redação do UOL não têm nenhuma responsabilidade por tais opiniões. A única intenção é fornecer informações sobre o mercado e produtos financeiros, baseadas em dados de conhecimento público, conforme fontes devidamente indicadas, de modo que não representam nenhum compromisso e/ou recomendação de negócios por parte do UOL. As informações fornecidas por terceiros e/ou profissionais convidados não expressam a opinião do UOL, nem de quaisquer empresas de seu grupo, não se responsabilizando o UOL pela sua veracidade ou exatidão. Os produtos de investimentos mencionados neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão preencher o questionário de suitability para a identificação do seu perfil de investidor e da compatibilidade do produto de investimento escolhido. As informações aqui veiculadas não devem ser consideradas como a única fonte para o processo decisório do investidor, sendo recomendável que este busque orientação independente e leia atentamente os materiais técnicos relativos a cada produto. As projeções e preços apresentados estão sujeitos a variações e podem impactar os portfolios de investimento, causando perdas aos investidores. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de resultados futuros. Este conteúdo não deve ser reproduzido no todo ou em parte, redistribuído ou transmitido para qualquer outra pessoa sem o consentimento prévio do UOL.

Deixe seu comentário

Só para assinantes