PUBLICIDADE
IPCA
-0,31 Abr.2020
Topo

'Precisamos entender que fazemos parte de um grande ecossistema', diz empresário por trás do 'Não Demita!'

Daniel Castanho, do grupo Ânima Educação - DIVULGAÇÃO via BBC
Daniel Castanho, do grupo Ânima Educação Imagem: DIVULGAÇÃO via BBC

Ligia Guimarães

Da BBC News Brasil, em São Paulo

07/04/2020 10h03

Para o empresário Daniel Castanho, presidente do conselho e um dos fundadores do grupo Ânima Educação, organização educacional privada de ensino superior, as empresas e governantes que adotarem um pensamento "mesquinho" durante a crise deixarão de existir em um futuro próximo, no mundo pós-pandemia do coronavírus.

Foi com esse discurso que, no fim de semana, Castanho angariou discretamente o apoio de empresários para o que se transformou em um manifesto: o "Não Demita!". Nele, mais de 1 mil empresas signatárias firmaram o compromisso de que não demitirão nenhum funcionário até o final de maio. "Nossa maior responsabilidade, agora, é manter nosso quadro de funcionários", diz o texto.

"Até por uma questão da economia, temos que manter o isolamento social agora", defende, reforçando as medidas recomendadas pelo Ministério da Saúde e pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para impedir que o novo coronavírus se espalhe mais rapidamente do que os hospitais brasileiros sejam capazes de atender.

O discurso de Castanho destoa do que se ouviu dos empresários nas primeiras semanas da pandemia do coronavírus no Brasil, quando as medidas de isolamento social foram criticadas por Luciano Hang, da Havan, Junior Durski, dono da rede de restaurantes Madero, Roberto Justus, além do próprio presidente da República, Jair Bolsonaro.

Na opinião de Castanho, o momento é de pensar além do curto prazo. "Os empresários, as empresas, as pessoas, os líderes, os governantes que não tiverem uma visão holística não existirão no mundo pós-coronavírus", afirma Castanho, sem citar nomes. Diz que os primeiros a aderirem ao "Não Demita!" foram os executivos Ricardo Lacerda, do banco de investimento do BR Partner, Rubens Menin, da MRV e Eugênio Mattar da Localiza. "Falamos no final de semana. Na segunda-feira acabei falando com diversos outros e no final do dia na segunda-feira já tinha mais de 20 empresas assinando, os três grandes bancos, Santander Bradesco e Itaú", comemora.

Até o momento, além do Ânima, que tem 118 mil estudantes nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Santa Catarina, Paraná, Bahia e Sergipe, o movimento já tem mais de mil empresas signatárias, como Accenture, Alpargatas, Boticário, Bradesco, BR Partners, BRF, BTG, Camil, C&A, Cosan, Itaú, JBS, Magalu, Microsoft, MRV, Natura, PwC, Renner, Salesforce, Santander, SEB, Suzano, Vivo, XP e WEG.

"Visto que a gente vai ter que ficar em isolamento, infelizmente teremos impacto econômico; o que as empresas podem fazer neste momento é não demitir".

Leia os principais trechos da entrevista:

BBC News Brasil - O que vocês assinaram exatamente? Qual foi o compromisso?

Daniel Castanho - A gente se comprometeu a não demitir até o final de maio. E então não é mais um manifesto, é um movimento, e decidimos fazer um site.

BBC News Brasil - Na primeira fase da pandemia, os empresários mais "vocais" foram os que se opuseram ao isolamento social (como o empresário Junior Durski, dono da rede de restaurantes Madero, ou o empresário Roberto Justus). Houve resistência à iniciativa do "Não Demita"?

Daniel Castanho - Os 50 primeiros [empresários que aderiram ao Não Demita] eu fui muito mais um maestro do que qualquer coisa, porque todos já estavam com esse sentimento de que a gente não podia demitir. Alguns falaram 'olha, eu não vou conseguir, não vai dar, vou demitir o mínimo possível'. E acho que depois de algumas conversas eles disseram: 'tá bom, vai. Até o final de maio a gente consegue segurar'. Tem um que falou que ia demitir 400 pessoas e depois disse que ia tentar segurar até o final de maio.

BBC News Brasil - E como um empresário consegue segurar isso?

Castanho - Todo mundo acredita que essa crise é diferente da (crise financeira global) de 2008, que era um trem fantasma, você não sabia o que ia acontecer. Essa aqui tem data para acabar, é uma montanha russa: a gente já sabe o que vai acontecer. Vai ter o pico, aí em setembro a gente já vai saber quantas pessoas morreram, se já tem remédio, tal. É diferente.

Claro que o cinto de segurança vai ser (ter) caixa. E aí, em um primeiro momento, todo mundo diz 'bom, se eu não estou vendendo, e o meu problema é caixa, vou demitir', não tem o que fazer. Mas a hora que você parar para refletir e pensa de maneira mais holística, não só na sua empresa, mas no contexto geral, aí acho que os empresários estão bastante conscientes.

Eu acho que há um amadurecimento dos empresários de que não é importante esse trimestre, o importante é o que vai acontecer esse ano, o impacto que vai ocorrer no Brasil depois que o coronavírus passar.

Inclusive aparentemente tem essa discussão sobre se deve voltar a funcionar ou não a economia, se tem ou não lockdown. Eu acho que, se parar para pensar na economia, a gente devia continuar com isolamento. Porque se a quantidade de casos de UTI ultrapassar a infraestrutura médica que a gente tem já daqui a duas semanas, meu medo é que a gente não saia do lockdown. Vamos ficar três meses em isolamento, não é três meses e vai voltando aos poucos. Vai ser isolamento total durante três meses.

Então eu realmente acredito que, até por uma questão da economia, temos que manter o isolamento agora. Mas, por outro lado, temos que dar suporte para que o impacto seja o menor possível, e algumas empresas vão ter que absorver isso.

BBC News Brasil - No mundo inteiro há praticamente um consenso em torno da adoção de medidas de isolamento social. No Brasil há sinais contrários, com o próprio presidente Bolsonaro convocando a volta do comércio e protestos contra o isolamento social. Como vê esse posicionamento?

Castanho - Eu realmente acho que, hoje, as empresas que forem olhar só para si mesmas, na minha cabeça, vão deixar de existir em um tempo muito curto. A gente está em um momento do mundo em que precisamos entender que fazemos parte de um grande ecossistema. Não adianta achar que tem uma inflamação do seu dedinho esquerdo e, deixa isso lá, porque o resto do corpo está bom. Dá uma infecção generalizada e você morre.

E se você acha que não tem problema aquela comunidade, aquela favela, aquela empresa quebrar, desde que você esteja bem, vai estar tudo bem... Não funciona mais assim. Um caso de uma pessoa na China, e olha o que aconteceu com o mundo. Os empresários, as empresas, as pessoas, os líderes, os governantes que não tiverem uma visão holística não existirão no mundo pós-coronavírus.

BBC News Brasil - Fala-se em uma dicotomia entre morrer de coronavírus ou morrer de fome.

Castanho - Para mim, não existe essa dicotomia. Se a gente não ficar em isolamento agora, vão acontecer as duas coisas. Vamos ter que ficar no isolamento durante quatro meses, e aí muitas pessoas vão morrer de coronavírus e muito mais pessoas vão morrer de fome, porque são quatro meses de lockdown.

Quem vai ter coragem de dizer, se houver muito mais gente morrendo, faltando leito, faltando respirador, "vamos continuar trabalhando!"? Ninguém vai fazer isso.

BBC News Brasil - Essa união de empresários nesse momento é quase um movimento político, porque vai na contramão do que defende o presidente. Há resistência?

Castanho - Não. Muito pelo contrário, é um movimento de empresários, completamente apartidário. Eu não acho que estamos indo contra o que alguém falou, porque ninguém falou para demitir.

BBC News Brasil - O presidente pede o fim do isolamento social. O movimento de vocês não defende o isolamento social sem demissões?

Castanho - Não, eu, Daniel, sou a favor do isolamento social. As empresas, cada uma tem o seu posicionamento. São signatários o Pão de Açúcar, o Magazine Luiza e a Ânima. A Ânima está 100% remota, o Pão de Açúcar full time trabalhando. Eu estou explicando que acho que há uma consciência do empresário de que é preciso não demitir, porque os impactos mais para a frente serão muito maiores. Visto que a gente vai ter que ficar em isolamento, infelizmente teremos impacto econômico; o que as empresas podem fazer neste momento é não demitir.

BBC News Brasil - Como a pandemia afetou o grupo Ânima até agora?

Castanho - Â Anima tem 8 mil pessoas trabalhando. Nosso ensino sempre foi híbrido, não temos à distância. Todos os nossos professores preparam as aulas e compartilham dentro de uma grande plataforma de compartilhamento de preparação de aulas. Fizemos uma parceria com o Zoom, também fizemos com algumas teleconferências, demos 5 giga (bytes) para todos os funcionários. E todos os alunos têm aula da casa dos professores para a casa dos alunos.

Claro, tem empresas do grupo que são mais afetadas: a HSM é uma empresa de eventos, e não há eventos; o Instituto Ânima tem vários projetos que pararam. Por exemplo: na área de infraestrutura ninguém está trabalhando e provavelmente não vai trabalhar este semestre. Limpeza, segurança, manutenção, enfim.

Mas eu acho que quando a gente voltar, do lockdown, vai ser algo gradativo. Eu acredito que alguns setores vão voltar antes, como o comércio, como as escolas, para os pais trabalharem. E acho que universidade não vai ser uma das primeiras a voltar, então poderíamos desligar vários funcionários este semestre para voltarem só no que vem. E obviamente não vamos fazer isso.

BBC News Brasil - O Brasil tem muito pequeno e médio empresário. Na informalidade há também muito microempreendedor, que não tem capital de giro. O que acha das medidas de apoio para esses empresários que estão tentando sobreviver?

Castanho - Tem bastante coisa sendo feita para ajudar o microempresário. É verdade o que você falou, tem muito microempresário que só é microempresário por falta de emprego: o vendedor de cachorro quente, a manicure. Eu realmente acho que, com tudo o que está sendo feito, por mais que seja bastante coisa, o impacto vai ser grande.

E por outro lado vai haver um amadurecimento da sociedade, por exemplo, nas relações de trabalho. Aquelas empresas que estavam estruturadas no formato comando/controle, em que valorizava a pessoa que chega antes, horário, bate cartão, isso não vai existir mais. Ninguém vai voltar a trabalhar 100% do tempo na empresa.

O home office, por um lado, é uma produtividade maior, diminui a interação entre as pessoas, mas vai ter um formato híbrido. Vai empoderar mais, dar autonomia, confiança. Confiança vai ser a palavra da vez. Vamos redesenhar nossas relações e, nesse novo mundo, a gente vai entender que faz parte de um grande ecossistema. E quem não entender, quem tiver um pensamento mais mesquinho, será eliminado, enfim, não vai existir daqui a dois a três anos.

BBC News Brasil - Que cenário o senhor vê para a economia?

Castanho - De repente pode haver um resgate no último trimestre deste ano, mas vamos passar momentos muito complexos, sem dúvida nenhuma, nos próximos 180 dias. De recessão, de desemprego. Por isso que eu acho que as empresas não podem mais pensar na visão para este trimestre. Tem que pensar com uma visão mais de longo prazo, em 12 meses. Quem estiver pensando agora em curtíssimo prazo pode até conseguir salvar um pouquinho no curto prazo, mas depois, daqui a 12 meses, vai ter um impacto muito maior. Quem demitir agora para salvar um pouco de caixa acho que, num prazo um pouco maior, não vai sobreviver.

Empregos e carreiras