Banco central do Japão mantém intacto programa de estímulos

Tóquio, 15 jun (EFE).- O Banco do Japão (BoJ, sigla em inglês) anunciou nesta quinta-feira que mantém intacto seu programa de estímulos em um momento marcado pela incerteza em torno do referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia (UE).

Apesar do fortalecimento do iene, o que prejudica as exportações japonesas, e do baixo consumo, que é o principal motor da terceira mais economia mundial, o BoJ decidiu manter intacto seu programa de flexibilização que entrou em vigor em 2013.

Além da incerteza pela possibilidade do "brexit", a entidade também preferiu esperar a realização das eleições para o Senado do Japão, que acontecem no próximo dia 10, para anunciar qualquer mudança.

Essa decisão, no entanto, contribuiu para a valorização do iene frente ao dólar, que poucos minutos depois do comunicado do BoJ beirou seu valor mínimo em relação à moeda japonesa nos últimos 20 meses.

Após a reunião mensal de dois dias, a junta de política monetária do BoJ aprovou, por oito votos a um, continuar ampliando a base monetária a um ritmo anual de aproximadamente 80 trilhões de ienes (US$ 763,458 bilhões).

Este agressivo plano expansivo foi acionado em abril de 2013 para conseguir uma inflação estável de em torno de 2%, que acabe com quase duas décadas de deflação.

Entre os riscos para a economia japonesa mencionados no comunicado emitido ao término da junta, foi mencionado o "problema da dívida e o momento vivido pela atividade econômica e os preços na Europa, além dos riscos geopolíticos", em referência à possibilidade do "brexit" no Reino Unido.

Em relação à economia japonesa, o BoJ considera que esta segue "se recuperando moderadamente", apesar do recente arrefecimento na produção e nas exportações pela forte desaceleração econômica dos países emergentes.

O consumo se mostrou "resistente", mas "foram observados desenvolvimentos relativamente frágeis em alguns indicadores".

A entidade também afirmou que, graças à queda do petróleo, os efeitos de seu programa permanecem neutralizados e o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) permanece "em torno de 0%".

O BoJ também decidiu, por sete votos a dois, manter a taxa negativa de -0,1% aplicada a certos depósitos dos bancos.

Com o objetivo de estimular o crédito e o consumo, o BoJ ativou esta taxa negativa em fevereiro.

No entanto, a medida também afetou os juros em longo prazo e os rendimentos dos títulos da dívida soberana japonesa com prazo de dez anos, que também entraram em terreno negativo, e os bancos acreditam que essa medida contribuirá para a redução de seus lucros.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos