Ensino fundamental e ensino superior lideram pressões no IPCA-15 de fevereiro, afirma IBGE

O reajuste de 8,23% nas mensalidades escolares de alunos do ensino fundamental exerceu a maior pressão sobre a prévia da inflação oficial em fevereiro. O subitem deu uma contribuição de 0,13 ponto porcentual para a taxa de 0,78% apurada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) neste mês, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Também figuraram no ranking de maiores pressões sobre o IPCA-15 de fevereiro os itens ensino superior (alta de 3,74% e impacto de 0,06 p.p.), batata-inglesa (alta de 22,58% e impacto de 0,06 p.p.), combo de telefonia, internet e TV por assinatura (alta de 3,29% e impacto de 0,05 p.p.), arroz (alta de 5,85% e impacto de 0,04 p.p.), gasolina (alta de 0,84% e impacto de 0,04 p.p.), ensino médio (alta de 8,58% e impacto de 0,03 p.p.), plano de saúde (alta de 0,77% e impacto de 0,03 p.p.), serviço bancário (alta de 1,69% e impacto de 0,03 p.p.) e cenoura (alta de 36,21% e impacto de 0,03 p.p.).

Na direção oposta, a passagem aérea foi o item de maior influência negativa sobre a inflação de fevereiro, com queda de 10,65% e contribuição de -0,10 ponto porcentual. Outros itens no ranking de maiores alívios sobre o IPCA-15 do mês foram energia elétrica residencial (-0,40% e impacto de -0,02 p.p.), pacote turístico (-1,77% e -0,01 p.p.), joia (-4,80% e -0,01 p.p.) e calça comprida feminina (-1,86% e -0,01 p.p.).