IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

Mídia e Marketing


76% dos consumidores já compraram por causa de influenciadores, diz estudo

Entre os itens mais comprados a partir da indicação estão produtos de beleza, livros e acessórios de moda - Arte/UOL
Entre os itens mais comprados a partir da indicação estão produtos de beleza, livros e acessórios de moda Imagem: Arte/UOL

Renato Pezzotti

Colaboração para o UOL, em São Paulo

11/09/2019 09h26Atualizada em 11/09/2019 14h46

Um estudo produzido pela empresa de marketing de influência Spark em parceria com o Instituto QualiBest, de pesquisas, apontou que 76% dos consumidores já compraram algum produto ou serviço com base na recomendação feita por um influenciador digital.

Dentre aqueles que compraram, 82% observaram que as publicações dos influenciadores eram sinalizadas como publicidade. Os dados fazem parte de um estudo que será apresentado hoje durante o YouPix Summit, que acontece em São Paulo.

Produzido em agosto, o levantamento foi realizado com 1.100 pessoas de todas as regiões do Brasil. O objetivo era identificar a relação do público com influenciadores digitais.

"Era comum um criador fazer uma publicação patrocinada e não divulgar que foi pago para isso, por receio de o post não ter engajamento. Hoje, a sinalização de que a postagem é um publieditorial reforça a transparência do conteúdo", declarou Rafael Coca, sócio da Spark.

Produtos de beleza à frente

Entre os itens mais comprados a partir da indicação de um influenciador digital estão os produtos de beleza (52%), seguidos por livros e acessórios de moda (42%). Na sequência, estão alimentos e bebidas (30%) e smartphones (29%).

O levantamento apontou também as redes favoritas do público. Instagram e YouTube aparecem empatados em primeiro lugar, com 81% das preferências. O Facebook foi apontado por 49% dos entrevistados. A soma é maior do que 100% porque cada um podia indicar mais de uma rede.

Segundo o estudo, 42% dos usuários não alteraram sua forma de interação no Instagram desde que a rede anunciou, no Brasil, que ocultaria o número de curtidas nas publicações exibidas via aplicativo para celulares.

Equilíbrio vida pessoal x profissional é relativo, diz WeWork

UOL Notícias

Mais Mídia e Marketing