PUBLICIDADE
IPCA
+0,93 Mar.2021
Topo

48% dos profissionais qualificados aprovam home office, diz pesquisa

Trabalho remoto: Para 48%, o equilíbrio entre qualidade de vida e trabalho melhorou; para 26% está igual e para 26%, piorou - Drazen_/iStock
Trabalho remoto: Para 48%, o equilíbrio entre qualidade de vida e trabalho melhorou; para 26% está igual e para 26%, piorou Imagem: Drazen_/iStock

Felipe de Souza

Colaboração para o UOL, em Campinas (SP)

16/03/2021 16h58

Um estudo mostra que, para 48% dos profissionais qualificados e com formação superior, a experiência do home office é positiva. Mesmo assim, ainda há algumas questões que precisam ser melhoradas, como o impacto do trabalho remoto na saúde mental e espaço adequado para exercer as atividades.

Essa é uma das conclusões feitas pela consultoria Robert Half, que aponta também que esses profissionais estão com perspectivas otimistas para o futuro.

O levantamento, feito no mês de fevereiro, mostra que a opção pelo trabalho em casa foi adotada por 76% dos profissionais ouvidos, e que, para 48% deles, o equilíbrio entre qualidade de vida e trabalho melhorou desde o início da pandemia.

Os principais motivos destacados foram:

  • Redução do estresse por conta da ausência de deslocamentos (42%);
  • Mais tempo para conviver com a família (29%);
  • A sensação de que estar em casa reduz a pressão vivida no ambiente físico do trabalho (11%).

Ainda segundo o levantamento, 26% dos pesquisados apontam que o trabalho remoto não é nem melhor e nem pior e que tudo "continuou na mesma". Finalmente, outros 26% acreditam que o trabalho remoto piorou a qualidade de vida. Os motivos apontados foram:

  • Piora da saúde mental (32%);
  • Falta de contato próximo com a equipe e gestores (16%);
  • Espaço físico inadequado para o trabalho (10%).

Previsão otimista para o futuro

Mesmo com queda pelo segundo trimestre consecutivo, o índice de confiança dos profissionais qualificados sobre o futuro segue acima dos 50 pontos (51,4), numa escala de 0 a 100. Para o presente, a confiança é bem menor - o índice beira 33.

Para o diretor geral da Robert Half, Fernando Mantovani, isso mostra que, mesmo com o pessimismo atual, os profissionais acreditam que os próximos meses serão positivos.

"Ficam claras que as incertezas sobre os rumos da crise sanitária ainda preocupam a população e influenciam o mercado de trabalho e a economia. Porém, as empresas que forem capazes de enxergar as adversidades como oportunidades para seguir quebrando paradigmas, terão mais chances de sucesso nos próximos meses", afirma Mantovani.

O estudo, que integra a 15ª edição do Índice de Confiança Robert Half, foi feito com base na percepção de 1.161 profissionais, divididos em recrutadores e profissionais qualificados empregados e desempregados, com 25 anos de idade ou mais e formação superior.