ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Lucro do BNDESPar quase triplica no 4º tri, com recuperação de resultado com participações societárias

19/03/2018 14h48

SÃO PAULO (Reuters) - O braço de investimentos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) registrou lucro de R$ 1,188 bilhão no quarto trimestre do ano passado, quase três vezes acima do verificado em igual período do ano anterior, refletindo a recuperação do resultado com participações societárias.

No período de outubro a dezembro, o resultado com participações societárias somou R$ 2,339 bilhões, ante R$ 723 milhões um ano antes. No período comparado houve melhora em todas as rubricas, exceto equivalência patrimonial.

O BNDESPar registrou lucro líquido de R$ 3,778 bilhões no ano de 2017, revertendo o prejuízo de R$ 1 bilhão verificado em 2016. Assim como no trimestre, o resultado no ano foi guiado pela melhora do resultado com participações societárias.

Segundo o BNDESPar, a receita com dividendos e juros sobre capital próprio (JCP) somou R$ 895 milhões no ano passado e reflete o desempenho das empresas que compõem a carteira de sociedades não coligadas, avaliadas ao valor justo.

Em 2017, Vale, Valepar, AES Tietê e CEG responderam por 78,8% da receita total, enquanto em 2016 o destaque foi a AES Tietê, que contribuiu com 41,5% da receita total.

No ano passado, as alienações de participações do BNDESPar na Petrobras, CPFL Energia, Vale e Rumo geraram resultado de R$ 3,848 bilhões, correspondendo a 89,5% do resultado com alienações do ano.

Desta forma, a participação do BNDESPAR no capital total e votante da Petrobras ficou em 9,67% e 0,16%, respectivamente. No caso da Vale, a participação no capital total e votante ficou em 7,6%. Já as ações da CPFL Energia e da Rumo foram totalmente, passando o BNDESPar a não deter mais participação no capital das duas empresas.

Bitcoin é fraude? Entenda por que bancos querem distância

olhardigital

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia