Conteúdo publicado há 2 meses

Tesla é processada nos EUA por suposto assédio a trabalhadores negros

Uma agência de direitos civis dos Estados Unidos processou a Tesla Inc nesta quinta-feira, alegando que a montadora de carros elétricos tolerou assédio severo a funcionários negros em sua principal fábrica de montagem em Fremont, Califórnia.

A Comissão de Igualdade de Oportunidades de Emprego dos EUA (EEOC, na sigla em inglês) disse na ação movida no tribunal federal da Califórnia que, de 2015 até o presente, os trabalhadores negros na fábrica da Tesla têm sido rotineiramente submetidos a insultos racistas e pichações, incluindo de suásticas.

A Tesla não investigou reclamações de conduta racista e demitiu ou retaliou trabalhadores que relataram assédio, disse a EEOC no processo.

A Tesla já enfrenta vários processos por discriminação racial que fazem reivindicações semelhantes, incluindo uma ação coletiva movida por trabalhadores da fábrica de Fremont e uma ação judicial movida por uma agência de direitos civis da Califórnia. A empresa, nesses casos, disse que não tolera discriminação e leva a sério as reclamações dos trabalhadores.

A companhia não respondeu imediatamente a um pedido de comentário. O preço de suas ações subiu 2,4% na quinta-feira, para 246,38 dólares.

A EEOC disse no processo que começou a investigar a Tesla depois que a presidente da comissão de cinco membros, Charlotte Burrows, apresentou uma queixa interna contra a empresa.

Depois de descobrir no ano passado que havia "causa razoável" para acreditar que a Tesla havia violado a lei federal que proíbe a discriminação racial no local de trabalho, a agência tentou e não conseguiu firmar um acordo com a empresa, de acordo com o processo.

Burrows, em comunicado, disse que o combate ao assédio generalizado no local de trabalho é uma prioridade para a EEOC.

"Todos os funcionários merecem que os seus direitos civis sejam respeitados e nenhum trabalhador deve suportar o tipo de intolerância racial vergonhosa que a nossa investigação revelou", disse.

Continua após a publicidade

(Reportagem de Daniel Wiessner em Albany, Nova York)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora