IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

Conheça como é produzido o etanol que abastece os carros brasileiros

André Cabette Fábio

Do UOL, em Pitangueiras (SP)

11/09/2013 06h00

Do início da colheita de cana-de-açúcar, em abril passado, até o final de agosto, o Brasil já produziu neste ano cerca de 15 bilhões de litros de etanol. O biocombustível que abastece a maior parte dos carros brasileiros é fabricado em  mais de 400 usinas, que estão concentradas na região Centro-Sul do país.

Produção de etanol no Brasil

De toda a cana colhida nesta safra, 315 milhões de toneladas, pouco mais da metade foi utilizada para a produção de etanol, e o restante, para fabricar açúcar. Cada tonelada de cana produz, em média, 85 litros de etanol.

 

Tradicionalmente, a cana-de-açúcar é colhida manualmente por trabalhadores rurais, que precisam queimar a palha da base do caule das plantas para conseguir cortá-lo. A colheita também pode ser feita através de máquinas especialmente desenhadas para a operação, chamadas de colheitadeiras ou colhedoras, que fazem o trabalho sem a necessidade de queimadas.

Na usina, cana é analisada em laboratório para medição do teor de açúcar

O material colhido no campo é levado em caminhões para as usinas, para dar início ao processo de fabricação do etanol. Assim que a carga chega, uma máquina chamada de sonda oblíqua retira uma amostra de cana.

Ela é levada a um laboratório dentro da própria usina, para descobrir seu teor de açúcar. Quanto maior a quantidade de açúcar, mais álcool pode ser produzido e melhor o preço pago pela cana.

A carga do caminhão, enquanto isso, é descarregada. Se a cana foi colhida manualmente, ela é lavada e picada em pequenos pedaços por um picador, antes de seguir para a moagem. Quando colhida por máquinas, a cana já chega picada e, em geral, vai diretamente para a moagem.

A cana é então triturada para a extração de um caldo, que será transformado em açúcar ou etanol. O que sobra da moagem é o bagaço, resíduo fibroso que pode ser queimado em caldeiras para a obtenção de energia.

Essa energia pode ser utilizada para o funcionamento da própria usina ou então vendida para a rede pública. A Viralcool, usina de Pitangueiras (SP), produz 50 MW (megawatts) por dia, dos quais 37 MW são vendidos para a Companhia Paulista de Força e Luz, por um valor que varia de R$ 100 a R$ 130 por quilowatt (kW) - um megawatt corresponde a 1.000 quilowatts.

O caldo obtido na moagem vai para tonéis de decantação, onde é misturado com cal e outras substâncias que fazem as impurezas como terra e pedaços de bagaço se depositar no fundo dos tanques.

Caldo extraído da cana é fermentado e destilado antes de virar etanol

Mais limpo, o caldo concentrado passa por outro processo de purificação, recebendo substâncias químicas e sendo movimentado constantemente. Ele é então conduzido a outro tanque e misturado com água e fermento biológico. Esse fermento é um fungo, que se alimenta do açúcar do caldo, liberando gás carbônico e álcool.

A mistura é levada para uma centrífuga, que separa o fermento da parte líquida, chamada de vinho fermentado, que contem álcool, matéria orgânica, minerais e água.

O líquido é então destilado, dando origem ao etanol hidratado. Contendo 93% de álcool e o restante de água, pode ser usado para abastecer carros com motor flex .

Para poder ser misturado à gasolina, precisa passar por um tanque chamado de coluna de recuperação, onde sofre um processo químico que o desidrata e o transforma no etanol anidro, com 99% de álcool.

 

Mais Economia