PUBLICIDADE
IPCA
-0,38 Mai.2020
Topo

Coluna

Carla Araújo


Moro e Guedes são 'convocados' para reforçar alinhamento e afastar crise

Ministro da Casa Civil, general Walter Braga Netto, passou a coordenar coletivas - UESLEI MARCELINO
Ministro da Casa Civil, general Walter Braga Netto, passou a coordenar coletivas Imagem: UESLEI MARCELINO
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

31/03/2020 17h53Atualizada em 31/03/2020 19h59

Desde que assumiu o comando do gabinete de crise do combate ao coronavírus, o ministro da Casa Civil, general Walter Braga Netto, tem se esforçado para minimizar o desgaste entre o presidente Jair Bolsonaro e seus principais ministros. Depois de decidir concentrar os anúncios do governo no Palácio do Planalto, hoje, com apoio dos demais ministros palacianos, Braga Netto convenceu que era o dia dos ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Justiça, Sergio Moro, participarem entrevista.

Braga Netto, Moro e Guedes dividiram a bancada com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que tem sido o protagonista das ações do governo e demonstrado algumas divergências com Bolsonaro.

Nos bastidores, Moro e Guedes estavam cada vez mais alinhados com a posição do ministro da saúde pela defesa da quarentena, enquanto o presidente defende um afrouxamento das regras.

"A ideia é mostrar que a crise é transversal a todos os ministérios e todos estão apresentando resultados e informando a população", repetiu Braga Netto. O objetivo de auxiliares de Bolsonaro é deixar devidamente registrado e fotografado que há alinhamento entre as ações do governo.

Ontem, quando anunciou que as coletivas passariam a ser realizadas no Palácio do Planalto, Braga Netto tomou a dianteira e respondeu, antes mesmo do ministro da Saúde, que "não existia" a ideia de demitir o ministro da Saúde.

Questionado pela coluna se o presidente Jair Bolsonaro vai participar de alguma das coletivas, Braga Netto afirmou que "quando ele achar que deve sim".

Carla Araújo