PUBLICIDADE
IPCA
-0,31 Abr.2020
Topo

Coluna

Carla Araújo


Saída de Moro é frustração para parte do eleitorado de Bolsonaro

Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

24/04/2020 11h38

Foi difícil argumentar. O eleitor do presidente Jair Bolsonaro, que já vinha mostrando certo arrependimento em elegê-lo, tentou até o último minuto acreditar na permanência de Sérgio Moro no Ministério da Justiça.

Não deu. O discurso de Moro em sua despedida, em que fez questão de começar se desculpando por causar aglomerações em meio à pandemia de coronavírus, deixou parte do eleitorado do presidente sem discurso. E frustrado.

Parte, certamente, já foi buscar a camisa amarela na gaveta para vestir por Moro em 2022. A outra parte ainda tenta acreditar que a bandeira de combate à corrupção, uma das responsáveis por levar Bolsonaro ao Palácio do Planalto, não foi totalmente abandonada. Mas, diante das acusações de que o presidente queria intervir na Polícia Federal, fica difícil continuar com o mesmo discurso.

Se para quem acompanhou o desenrolar da "novela Moro" em Brasília já foi difícil apurar as intenções, as estratégias, as conversas, para quem é aquele 'eleitor comum', que está na sala de casa, o momento creio ser de uma "crise existencial".

Militares também perderam

A saída de Moro também mostra que os ministros militares, tidos como moderadores e que tentam sempre que podem controlar impulsos de Bolsonaro, não vencem todas as guerras.

Eles tentaram até o fim. Moro convocou seu pronunciamento cedo, já decidido com seu discurso de saída, mesmo assim os ministros tentaram demovê-lo da saída. Ao mesmo tempo, alertavam o presidente da necessidade de uma substituição que não causasse ainda mais desconforto para o governo.

Moro optou por um longo discurso, relembrando sua biografia, exaltando a Operação Lava Jato, pediu liberdade para fazer uma reflexão e deu um tiro que terá (ou pelo menos deveria) que ser explicado pelo governo. "Não houve combate efetivo à criminalidade organizada".

Carla Araújo