Conteúdo publicado há 1 mês

Dólar sobe e vai a R$ 5,162 após dados dos EUA; Bolsa fica estável

O dólar subiu 0,28% e fechou o dia vendido a R$ 5,162. No mês, a moeda americana agora acumula alta de 2,93% sobre o real.

Já o Ibovespa fechou estável, com leve queda de 0,08%, e chegou aos 124.645,58 pontos, no terceiro pregão consecutivo de perdas. O principal índice da B3 recuou 2,70% em abril.

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial (saiba mais clicando aqui). Para quem vai viajar e precisa comprar moeda em corretoras de câmbio, a referência é o dólar turismo, e o valor é bem mais alto.

O que aconteceu

Moeda norte-americana avançou com inflação mais forte nos EUA. Dados desta quinta-feira (25) mostraram que o crescimento econômico dos Estados Unidos desacelerou mais do que o esperado no primeiro trimestre, mas uma aceleração da inflação sugere que o Federal Reserve não cortará a taxa de juros tão cedo.

O Produto Interno Bruto dos EUA expandiu a uma taxa anualizada de 1,6% no último trimestre. As informações são do Departamento do Comércio. Economistas consultados pela Reuters previam um crescimento de 2,4%, com estimativas variando de um ritmo de 1,0% a uma taxa de 3,1%. Pressionando os mercados, os dados mostraram que o núcleo do índice de preços PCE acelerou a alta para 3,7% no trimestre, acima da expectativa de 3,4%.

Os mercados globais viveram uma onda de aversão a risco recentemente. Dados resilientes dos EUA e falas duras de autoridades do Fed levaram operadores a prever apenas dois cortes de 0,25 ponto percentual nos juros norte-americanos em 2024. Entre o final de 2023 e o início deste ano, os mercados chegaram a apostar em até 1,50 ponto percentual de afrouxamento monetário no período.

A agenda de indicadores e corporativa robusta hoje norteou o Ibovespa. A incerteza externa somou-se a riscos fiscais locais e tem afetado as perspectivas de política monetária, com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, alertando que poderia haver uma desaceleração do ritmo de afrouxamento, o que levou a elevação nas projeções de mercado para o nível da Selic ao final deste ano.

Ritmo lento é positivo para o real. Em teoria, um ritmo mais lento de afrouxamento monetário no Brasil seria positivo para o real, uma vez que isso preservaria melhor a rentabilidade do mercado de renda fixa, atraindo investidores estrangeiros.

Continua após a publicidade

Com uma queda de 7% no lucro do primeiro trimestre, as ações da Vale (VALE3) iniciaram o pregão desta quinta-feira em baixa. A mineradora reportou na noite de quarta-feira (24) um lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização de US$ 3,438 bilhões, uma baixa de 7% na comparação com o primeiro trimestre de 2023. O número também veio abaixo do que o mercado esperava: US$ 3,6 bilhões.

Envio da reforma tributária. Marlon Glaciano, planejador financeiro e especialista em finanças, avalia que apesar de isso sugerir avanço, ainda há certa cautela, dados os sinais de avanço dos gastos do governo e de descumprimento da meta fiscal. "A arrecadação segue crescente, mas ainda há dúvidas sobre se a meta fiscal será cumprida. Não sabemos de que forma o dinheiro arrecadado será usado, se será usado de forma correta. Não adianta promover regras e não cumpri-las", avalia.

(Com Estadão Conteúdo e Reuters)

Deixe seu comentário

Só para assinantes