PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Carla Araújo

"Semana que vem" vira piada e governo mostra que está longe de solução

Meme do Paulo Guedes com a frase "semana que vem" - Reprodução/WhatsApp
Meme do Paulo Guedes com a frase "semana que vem" Imagem: Reprodução/WhatsApp
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

06/10/2020 18h00

Já virou piada: "semana que vem a gente entrega", "semana que vem o governo apresenta". A expressão, que inevitavelmente gera expectativas, é vista cada vez com menos credibilidade em Brasília.

Até mesmo auxiliares do ministro Paulo Guedes (Economia) ironizam quando questionados sobre os trabalhos da equipe e dizem que "não podemos mais falar em semana que vem, mas vai sair". Há memes do ministro com a frase sendo espalhados pelos grupos de mensagens de Brasília.

Em tese, até o início da tarde desta terça-feira (6), estava tudo caminhando para que amanhã o Brasil finalmente conhecesse a solução encontrada pelo presidente Jair Bolsonaro ao programa de renda que quer chamar de seu.

Mas, há pouco, ao chegar no Palácio do Planalto, para mais uma de intermináveis reuniões, o relator do Orçamento, Márcio Bittar (MDB-AC), frustrou as expectativas de quem aguardava um desfecho e anunciou: "Olha, mais uma vez a previsão é que entreguemos tudo na semana que vem: pacto federativo, PEC Emergencial. Mas é sempre uma costura, então, tem que ter paciência".

Com um adendo importante, o relator incluiu em sua frase a expressão "se Deus quiser". Lembrando que o estado é laico, é preciso ressaltar que a solução para o programa de transferência de renda não virá de divindade nenhuma. Terá que ser feita por humanos e decidida pelos políticos.

A paz exige negociação

Ontem, depois do " jantar da paz", o presidente da Câmara Rodrigo Maia reiterou a necessidade de manutenção do teto, mas falou em "regulamentação" do mecanismo. Não explicou exatamente o que estaria incluído nessa "regulamentação".

Paulo Guedes pediu desculpas pelo mau jeito com parlamentares e se mostrou disposto a escutá-los. Para fazer um texto que seja bem recebido no Congresso, no entanto, a "semana que vem" fica sempre para a próxima.

A semana que vem de fato tem feriado. A tradição de Brasília reduz o ritmo dos trabalhos em semanas mais curtas. O período eleitoral está aberto. Deputados e senadores precisam voltar às suas bases, apoiar prefeitos e candidatos.

A agenda do governo corre contra o tempo. O auxílio emergencial está, a princípio, marcado para acabar no fim do ano. Bolsonaro quer uma solução. Precisa dela para manter sua popularidade em alta. Guedes depende dela para conseguir continuar batendo na tecla de que a economia brasileira "vai se recuperar em 'V'".

Memes que começam a ganhar volume na internet brincam com a excepcionalidade que tem sido o ano de 2020. "Janeiro, fevereiro, pandemia, dezembro, acabou".

Outros já avisam que há panetones nas lojas e supermercados e que aguardam a música da cantora Simone anunciando "então, é Natal".

O atual mantra do governo de falar em "semana que vem" lembra a música da cantora Pitty que avisa que o melhor é não deixar o tempo passar: "por que semana que vem pode nem chegar".

PUBLICIDADE