PUBLICIDADE
IPCA
+0,93 Mar.2021
Topo

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Comandantes das Forças Armadas se reúnem para avaliar cenário atual

Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

29/03/2021 19h48Atualizada em 29/03/2021 23h05

Os comandantes do Exército, Edson Pujol; da Marinha, Ilques Barbosa Junior e o da Aeronáutica, Antonio Carlos Moretti Bermudez, se reuniram na noite da segunda-feira (29), segundo fontes, para "avaliar o cenário atual", após a demissão do ministro Fernando Azevedo e Silva.

Após o encontro, ficou acertado uma nova reunião nesta terça-feira (30), com a presença de Azevedo e do novo ministro da Defesa, Walter Braga Netto.

Existe a possibilidade de uma renúncia coletiva do cargo, mas generais ouvidos pela coluna dizem que essa hipótese ainda é "pouco provável" e traria uma instabilidade muito forte ao país.

Nesta noite, o presidente Jair Bolsonaro confirmou a saída de Azevedo e a escolha do atual ministro da Casa Civil, general Walter Braga Netto, para comandar a Defesa.

Militares ouvidos pela coluna dizem que a chegada de Braga Netto ao ministério da Defesa poderia arrefecer o suposto ímpeto de Bolsonaro em pedir a saída de Pujol do comando do Exército.

Apesar disso, cabe única e exclusivamente ao presidente decidir as nomeações e, como lembrou um general, "ninguém segura o ímpeto do presidente em tomar decisões ruins".

Caso Braga Netto não consiga manter Pujol no cargo, na avaliação de militares a reação do Alto Comando não seria boa e poderia dificultar a relação do novo titular da Defesa com as Forças.

Braga Netto e Pujol são próximos e, segundo militares, possuem uma boa relação. Apesar de um ano de diferença na formação, ambos são da mesma arma (cavalaria) e Braga Netto foi Chefe de Estado-Maior do Exército, com Pujol no comando.

O nome de Braga Netto chegou à caserna, sem unanimidade. Muitos dizem que por ser de uma turma mais nova do que a dos comandantes atuais, o ministro poderia ter dificuldades em ter liderança.