PUBLICIDADE
IPCA
+0,93 Mar.2021
Topo

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Planalto avalia que erros de Ernesto tornaram situação ainda mais crítica

4.mai.2020 - O cancheler basileiro, Ernesto Araujo, e o presidente Jair Bolsonaro - Ueslei Marcelino/Reuters
4.mai.2020 - O cancheler basileiro, Ernesto Araujo, e o presidente Jair Bolsonaro Imagem: Ueslei Marcelino/Reuters
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

29/03/2021 11h12

A manhã de segunda-feira (29) começou com a crise em torno do ministro da Relações Exteriores, Ernesto Araújo, ainda mais intensa. Na avaliação de um ministro ouvido pela coluna, o chanceler "avaliou mal" e seu contra-ataque ao Senado foi um erro grave.

Auxiliares do presidente Jair Bolsonaro dizem que a reação do Senado, que já promete protocolar um pedido de impeachment do ministro, tende a deixar a situação de Ernesto ainda mais insustentável. "Agora está ainda mais crítico", disse outra fonte.

Bolsonaro, no entanto, tem duas dificuldades no momento: achar um substituto para Ernesto e ao mesmo tempo uma recolocação para o ministro, que sempre foi seu aliado e é ligado à ala ideológica do governo, contando inclusive com o apoio dos filhos do presidente.

Além disso, Bolsonaro faz as contas entre manter uma boa relação com o Congresso, sem ceder completamente à pressão, o que poderia abrir margem para novas cobranças e deixar o presidente refém dos desejos dos parlamentares.

Perplexidade

No Itamaraty, onde Ernesto convocou uma reunião para essa manhã com seus principais secretários, o clima, segundo uma fonte, é de "perplexidade".

Na avaliação de um diplomata, tanto Ernesto quando os senadores estariam jogando "para suas torcidas" e teriam deixado "a racionalidade, a prudência e o equilíbrio" de lado.

A iniciativa de Ernesto, de usar o Twitter para fazer acusações contra a senadora Kátia Abreu, também foi mal vista entre os diplomatas, já que em momentos de crise o melhor remédio da diplomacia seria o diálogo e não o ataque.

Apesar de Bolsonaro ter dito a auxiliares que não faria nada às pressas, o futuro do chanceler é o assunto do momento em Brasília. A principal aposta é que, em poucos dias (talvez até hoje), Ernesto tenha que limpar as gavetas e deixar o governo.