PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Ao TSE, Bolsonaro diz que não ataca segurança das urnas e quer 'auditoria'

Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

e Rafael Neves, do UOL em Brasília

04/08/2021 14h12Atualizada em 04/08/2021 19h39

O presidente Jair Bolsonaro afirmou em documento enviado ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que não tem feito ataques à segurança das urnas eletrônicas, mas sim defendido que o sistema seja "aprimorado".

"Reitera-se, não se está a atacar propriamente a segurança das urnas eletrônica, mas, sim, a necessidade de se viabilizar uma efetiva auditagem", diz o presidente em sua resposta ao corregedor-geral da Justiça Eleitoral, o ministro Luís Felipe Salomão, que havia dado o prazo de 15 dias para que Bolsonaro apresentasse provas sobre supostas fraudes nas urnas.

"Na realidade, é em nome da maior fiabilidade do sufrágio que há muito se tem defendido a necessidade de robustecer ainda mais o sistema eletrônico de votação com alguma medida física de auditagem imediata pelo eleitor, tão logo esse deposite o seu voto na urna e, se for o caso, mais tarde pela própria Justiça Eleitoral", escreve o presidente.

Falta de provas

Na resposta, obtida pelo UOL, o presidente não apresenta as provas. O TSE confirmou que recebeu o ofício do presidente da República e disse que as respostas serão anexadas ao inquérito administrativo aberto pelo Plenário do TSE no último dia 2 de agosto.

No despacho que pediu explicações sobre as alegações de fraude, no dia 21 de junho, Salomão havia cobrado evidências ou informações "relativas à ocorrência de eventuais fraudes inconformidades em eleições anteriores".

Bolsonaro, no entanto, não apresentou essas evidências. No texto, ele faz referência a uma audiência pública no TSE, feita em 2018, na qual cidadãos defenderam a impressão do voto eletrônico, e citou a existência de projetos de lei nesse sentido.

Na resposta, Bolsonaro também referência a uma resolução do próprio TSE, de março de 2018, que previa implantar o registro impresso do voto em 23 mil urnas (5% do total) para as eleições daquele ano. Estes equipamentos, segundo a normativa, estariam acompanhados de uma impressora e de uma urna plástica para armazenar os votos em papel.

Aquela resolução, no entanto, foi derrubada pelo STF em junho do mesmo ano, quando o tribunal declarou a inconstitucionalidade do voto impresso, que havia sido aprovada pelo Congresso em uma mini reforma do sistema eleitoral em 2015.

Retórica e inversão

Na semana passada, Bolsonaro realizou uma transmissão ao vivo de cerca de duas horas, também com a promessa de apresentar provas, mas também não o fez.

"Os que me acusam de não apresentar provas, eu devolvo a acusação. Apresente provas de que ele não é fraudável", disse na ocasião.

Desde a adoção das urnas eletrônicas no Brasil, em 1996, nunca houve comprovação de fraude nas eleições. Essa constatação foi feita não apenas por auditorias realizadas pelo TSE, mas também por investigações do MPE (Ministério Público Eleitoral) e por estudos independentes.

Além disso, as urnas eletrônicas são auditáveis e este procedimento é feito durante a votação.

Contribuição à Justiça

Na resposta, Bolsonaro diz ainda que envia seu posicionamento "para contribuir com essa nobre Justiça Eleitoral" e diz que o faz "premido pelo inarredável espírito público, republicano e democrático".

Apesar do retorno formal, Bolsonaro, principalmente em conversa com apoiadores, tem mantido seus ataques ao presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso.

Na segunda-feira, o TSE aprovou a abertura de um inquérito para investigar Bolsonaro por divulgar notícias falsas sobre as urnas eletrônicas.

Ontem, após a abertura do inquérito, o presidente disse que não se tratava de uma briga contra o TSE ou contra o Supremo. "Não é contra o TSE nem contra o Supremo. É contra um ministro do Supremo, que é também presidente do Tribunal Superior Eleitoral, querendo impor a sua vontade".

PUBLICIDADE