PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Bolsonaro avisa Silva e Luna que vai demiti-lo da presidência da Petrobras

General Joaquim Silva e Luna, presidente da Petrobras - Marcelo Camargo/Agência Brasil
General Joaquim Silva e Luna, presidente da Petrobras Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Com Fabrício de Castro, do UOL, em Brasília

28/03/2022 17h04Atualizada em 28/03/2022 20h11

O general Joaquim Silva e Luna, atual presidente da Petrobras, já foi informado da decisão do presidente Jair Bolsonaro (PL) de não reconduzi-lo ao cargo na estatal. A informação foi publicada pela revista Veja e confirmada pela coluna.

Segundo apurou a coluna, Silva e Luna esteve com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, na manhã desta segunda-feira (28), no Rio de Janeiro. Foi o ministro quem levou até o general a informação de sua demissão.

Silva e Luna desembarca na noite de hoje em Brasília, mas ainda não há confirmação de uma conversa com o presidente pessoalmente. O general deve participar amanhã de um evento do STM (Superior Tribunal Militar) na capital federal.

A efetiva saída de Silva e Luna acontecerá no dia 13 de abril, quando haverá reunião de conselho da Petrobras, e o nome de Silva e Luna não estará mais na lista de conselheiros.

Na noite desta segunda-feira, o governo confirmou a saída do general e a indicação do economista Adriano Pires para o cargo.

O fato de o mandato de Silva e Luna ser até março de 2023, segundo fontes, não impede a troca.

Silva e Luna vinha passando por um processo de "fritura" por causa do aumento dos combustíveis.

Apesar de Bolsonaro ter feito diversas manifestações públicas a respeito do general, alguns auxiliares de Bolsonaro, principalmente os da ala militar, tentaram orientá-lo a não efetuar a troca, sob o argumento de que a figura do presidente da estatal não tem controle dos preços. Bolsonaro, no entanto, tomou a decisão nesta segunda-feira (28) e pediu que o ministro Bento avisasse o general de sua demissão.

Indicação de Bento Albuquerque

O substituto de Silva e Luna será Adriano Pires, sócio e fundador do Cbie (Centro Brasileiro de Infraestrutura). Doutor em economia industrial pela Universidade de Paris 13, Pires tem mais de 40 anos de atuação na área de energia e já passou pela ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis).

A escolha de Pires teve o aval do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, que levou o nome do economista para apreciação de Bolsonaro.

Já o ministro da Economia, Paulo Guedes, que está em Paris para participar de agenda da OCDE, afirmou a auxiliares que não teve interferência na escolha do nome, nem na saída de Silva e Luna.

Reajustes em 2022

Em função da alta do petróleo no exterior, em meio à guerra entre Rússia e Ucrânia, a Petrobras já reajustou duas vezes os preços dos combustíveis nas refinarias brasileiras este ano. Em 11 de janeiro, a gasolina subiu 4,85% e o diesel avançou 8,08%. Depois, em 10 de março, a gasolina teve alta de 18,77% e o diesel subiu 24,9%.

Estes aumentos, além de impactarem os gastos dos brasileiros nos postos de combustíveis, já começaram a pressionar os demais preços da economia.

Setores ouvidos pelo UOL já citam pressão por repasses no frete de mercadorias em geral e em alimentos perecíveis —em especial, frutas, legumes e hortaliças, neste primeiro momento.

Os impactos da alta dos combustíveis sobre a inflação geral ainda não estão claros, mas associações setoriais acreditam que eles serão sentidos com mais clareza nos próximos meses.